Um suposto ataque de Lobisomem está mexendo com uma pequena cidade do Mato Grosso do Sul. O município de Iguatemi fica a mais de quatrocentos quilômetros da capital Campo Grande e convive com o medo dos ataques do animal sobrenatural. Um dos ataques, inclusive, foi noticiado nesta terça-feira, 21, pelo portal de notícias G1. A vítima é uma mulher, a professora Regina de Abreu. Ao cinquenta e cinco anos de idade, o que ela viu é comum apenas em filmes de terror. Na rua, durante a madrugada, ela viu um ser meio homem, meio animal. Muito peludo e de dentes afiados, o ser lembrou um lobisomem.

Regina fez uma queixa aos policiais militares, que imediatamente trataram de procurar o Lobisomem.

Publicidade
Publicidade

Tudo aconteceu perto de meia noite, horário que os ataques do Lobisomem costumam ser comuns. A professora estava em um carro, indo em direção à casa da filha, quando tudo ocorreu. O ser de cabeça enorme e focinho avançou sobre o veículo e tentou morder Regina. O marido revelou à polícia que, apesar do pavor da mulher, não viu nada ocorrer. No entanto, a ouvir o grito e cara de desespero de Regina, ele decidiu parar o carro. Foi aí que outra mulher na rua apareceu desesperada. A moradora afirmou que também tinha visto o homem peludo tentando atacar o carro. O esposo então teve certeza que aquilo não era uma alucinação.

A moradora da vizinhança confirmou que viu o animal para a polícia. Outra trinta pessoas do mesmo bairro também viram o ser sobrenatural. Irritados, eles decidiram agir com as próprias mãos e andam com foices, pau e outras armas para fazer um ataque.

Publicidade

A Polícia Militar contou ao portal de notícias G1 que relatos parecidos são comuns no município, porém, essa é a primeira vez que os moradores pediram a ajuda aos policiais.

Na sua opinião, é possível mesmo que o Lobisomem tenha feito o ataque? Não esqueça de deixar o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevantes à sociedade. E aí, dá para acreditar nisso tudo? Comente! #Crime #Investigação Criminal