O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva divulgou uma nota, na manhã desta quinta-feira, dia 2, agradecendo, em nome de toda sua família, as muitas manifestações de carinho. Durante todo o tempo em que Marisa Leticia esteve internada no hospital Sírio-Libanês, muitas foram as mensagens enviadas a #Lula e sua família, principalmente pelas redes sociais, desejando melhoras à esposa e força para todos. Infelizmente, os médicos confirmaram a #morte cerebral de dona Marisa e Lula já autorizou que os órgãos sejam doados, o que lhe rendeu ainda mais elogios nas redes sociais.

Assim que foi confirmada a morte cerebral de dona Marisa, Lula fez questão de trocar a foto que estava em seu perfil no Facebook, colocando uma em que aparece ao lado da esposa.

Publicidade
Publicidade

Roberto Kalil Filho, responsável pelo tratamento de dona #Marisa Letícia, cuida da família Lula há quase 20 anos e foi ele quem informou que o quadro da ex-primeira-dama era irreversível. Lula ficou com os filhos e alguns familiares durante toda a noite no hospital, na expectativa de que sua mulher desse sinais de melhora. Durante a tarde de quarta-feira (1), ela chegou a apresentar uma pequena reação e os médicos até suspenderam os sedativos, mas, à noite, o quadro clínico voltou a complicar.

O local e horário para o velório da mulher de Lula ainda serão informados pela família. No Twitter, o nome de Marisa Letícia é o mais comentado e criou-se uma grande polêmica, pois alguns internautas começaram a fazer piada com a situação, o que gerou uma revolta muito grande.

Para Lula, o que levou sua mulher à morte foi a "tensão e pressão" que ela vinha enfrentando.

Publicidade

Na segunda-feira (30), o ex-presidente afirmou que "pressão e tensão" fazem qualquer pessoa chegar ao ponto que sua mulher encontrava-se. Entretanto, o petista disse que isso não vai fazer com que ele fique chorando pelos cantos; pelo contrário, servirá para fazer com que ele lute ainda mais pelos seus objetivos.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), onde Lula fez tais afirmações, foi a São Paulo participar de um encontro nacional e cerca de 100 representantes levaram flores a dona Marisa. Eles também entregaram um tecido bordado por chilenas que sobreviveram à ditadura militar.