Uma senhora da cidade de Campestre, no interior do Maranhão, estado da região Nordeste do Brasil, virou assunto em todo o país. O motivo é que ela pode ser presa por bater em seu filho, que estava realizando atividades ilícitas na região. O nome da mulher, segundo sites da região, é Maria de Lourdes. Ela tem sessenta e seis anos. Maria já teve o pedido de prisão solicitado pelo Conselho Tutelar, mas por enquanto, ainda aguarda em liberdade. Mas afinal, porque a entidade estaria querendo a prisão dessa mãe?

O atual responsável pelo conselho tutelar da cidade, Mauro J Melo, informou que uma coisa não justifica a outra. Ele revela que pediu o encarceramento da mulher, pois ela teria sido muito violenta com o filho, um menino de treze anos de idade.

Publicidade
Publicidade

Apenas as iniciais do garotinho foram identificadas. M.A.M. O garoto confessou que furtou e a mãe não pensou duas vezes, achou que era melhor dar um corretivo nele, antes que as coisas piorassem. O pensamento dela vem dos antigos. A mãe argumenta que uma palmada dela é melhor que a de um policial ou bandido e que não quer ver seu filho morto ou preso.

No entanto, o responsável pelo Conselho Tutelar não concorda com essa visão. Ele diz que o garoto levou golpes de cinto e que os hematomas foram claros no corpo inteiro. Após dar as cintadas do menino, a mãe teria obrigado ele a ficar ajoelhado, como forma complementar de castigo. O próprio menino é quem teria contato pela cidade que foi agredido por Dona Maria.

A mulher então foi chamada à delegacia, onde deu detalhes do que ocorreu. A dona de casa aposentada disse que, ao entrar em sua residência, notou que o seu filho estava com um aparelho de telefone novo.

Publicidade

Ela diz que questionou sobre quem teria dado o aparelho ao menino e ele não disse nada. Após isso, um vizinho bateu em sua porta e acusou o garoto de furto. Ele deu detalhes exatos de como era o celular e ela devolver o telefone. Como não era a primeira vez que algo do tipo acontecia, ela decidiu dar o corretivo. A mulher, no entanto, pode até ser presa por violentar o menor. #Crime #Investigação Criminal