O Espírito Santo vive uma crise sem precedentes na Segurança. Desde o último sábado, após a polícia militar anunciar uma greve, o caos se instalou no estado. Pelo menos 70 pessoas teriam sido assassinadas desde esta data. Isso fez com que a bandidagem fosse às ruas e muitos saques também fossem registrados. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, dois homens comemoram o fato de terem roubado uma dessas lojas. Eles aparecem com uma mala cheia de produtos e dizem que sofreram o ano inteiro, mas que uma hora isso tinha que acabar.

Eles ainda ostentam o farto roubo. Nas imagens, os criminosos mostram roubas e tênis de marcas famosas.

Publicidade
Publicidade

Isso causou uma tremenda revolta online. "Nossa, que absurdo. Esse povo não tem o menor limite. Eles fazem o que bem entendem e agora somos nós que sofremos", disse um internauta nas redes sociais. Os assaltantes não foram identificados até a publicação dessa reportagem. No entanto, na web, especialmente através do Twitter, existe uma mobilização para tentar ajudar a controlar a situação no estado. A hashtag falando sofre os ataques chegou a ficar durante toda a segunda-feira, 6, e terça-feria, 7, no topo do Twitter.

Veja abaixo o vídeo que mostra os marginais comemorando os furtos feitos à população:

Os policiais militares pedem um aumento salarial e melhores condições de trabalho no estado. As famílias deles estão na frente do quartel de Vitória, impedindo que os agentes saiam do local.

Publicidade

O governo do estado considerou a greve ilegal e, por isso, pode punir os agentes. O governo estadual ainda solicitou ajuda do governo federal. O presidente Michel Temer, do PMDB, já autorizou o envio de tropas do Exército à região. Na web, moradores filmaram a chega dos militares e comemoraram a boa nova.

No entanto, as reclamações da violência não diminuíram. Em entrevista ao UOL, um PM que não quis se identificar, disse que estava perigoso até para eles saírem às ruas. Ele foi aconselhado, por exemplo, a não passar perto do quartel da corporação, onde acontecem protestos. #Crime #Investigação Criminal