O pai da médica reumatologista Gabriela Munhoz, acusada de vazar informações sigilosas sobre o quadro clínico da ex-primeira-dama #Marisa Letícia, afirmou que sua filha não divulgou exames da esposa do ex-presidente #Lula nas redes sociais.

De acordo com informações fornecidas ao portal G1, Mário Munhoz, que também é médico, disse que a reumatologista não atendeu e nem viu Dona Marisa no hospital. Segundo ele, sua filha soube da internação da ex-primeira-dama no Hospital Sírio-Libanês pela internet.

Gabriela foi demitida do hospital particular na última quinta-feira (2) e também de outros hospitais públicos em que trabalhava na capital paulista.

Publicidade
Publicidade

Segundo seu pai, ela vem sofrendo centenas de ameaças de morte e está sob medicação devido ao abalo emocional causado pelos últimos acontecimentos.

Para Mário, os comentários feitos por sua filha através de um grupo no WhatsApp e expostos na imprensa foram destorcidos. Gabriela teria enviado mensagens para um grupo de colegas da faculdade de medicina da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul contando que Dona Marisa estava internada no Sírio após sofrer um AVC (Acidente Vascular Carebral) hemorrágico de nível 4 na escala Fisher e que ela seria encaminhada para a UTI.

A mensagem com os dados clínicos de Dona Marisa viralizou pelos grupos da rede social antes mesmo da divulgação feita pelo hospital, o que, de acordo com o Código de Ética Médica, é proibido.

Para o pai da Gabriela, a demissão do Hospital Sírio-Libanês foi incorreta, uma vez que o mesmo não abriu uma sindicância para apurar os fatos.

Publicidade

Diante disso, a reumatologista pretende entrar com uma ação na Justiça para reverter as demissões. Mário teme pela saúde e carreira de sua filha, que pretende esclarecer o caso à família do ex-presidente. Segundo ele, todo esse equívoco tem a deixado transtornada, pois Gabriela não ofendeu a esposa de Lula e sempre torceu por sua melhora.

Na última terça-feira (7), uma nota sobre o assunto foi divulgada por Gabriela através do site da Veja, na qual a médica afirma que não desejou o mal à ex-primeira-dama e que nenhuma ideologia #Política-partidária foi adotada em sua conduta médica. Ainda em nota, a reumatologista lamentou o falecimento de Dona Marisa e os possíveis aborrecimentos causados à família do ex-presidente.