Nesta quinta-feira, 2, o Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, confirmou a morte cerebral da ex-primeira dama do Brasil, Marisa Letícia. Ela foi vítima de um Acidente Vascular Hemorrágico (AVC) e estava na unidade desde o dia 24. O marido de Dona Marisa, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva autorizou o procedimento de doação de órgãos de sua mulher. A morte de Letícia virou o principal assunto nas redes sociais. O nome da ex-primeira dama chegou a ficar no topo do Twitter no Brasil. Muita gente apenas falava sobre a morte, enquanto outros mostravam seus sentimentos à família Lula da Silva. No entanto, houve também aqueles que misturaram as bolas e fizeram desse momento de dor não só uma discussão política, mas também uma zombaria a alguém que já morreu.

E engana-se quem pensa que foram cidadãos simples que fizeram isso.

Publicidade
Publicidade

Um grupo no Facebook, fechado apenas a médicos, acabou denunciado. O motivo é que vários profissionais da saúde estavam fazendo comentários ofensivos a respeito do falecimento da personalidade brasileira. "Que ela vá abraçar o capeta, já vai tarde", diz um dos médicos, que no Facebook se diz clínico geral do governo de São Paulo. Não há como incorporar as publicações, pois elas são comentários em publicações e também estão em um grupo fechado. Apenas quem está nele tem acesso irrestrito ao conteúdo.

Comentários ofensivos

Os comentários de ódio não ficaram restritos ao grupo em questão. Na web, em geral, muita gente fez esse tipo de comentário. Aqui mesmo na Blasting News falamos sobre a reação no Twitter após o falecimento. Algumas pessoas chegaram até a dizer que ela já faleceu tarde. Enquanto isso, adversários políticos de Lula, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, não apenas demonstraram sua consternação com a perda do representante do Partido dos Trabalhadores (PT), como também foram até ao hospital, onde Lula faz plantão.

Publicidade

De acordo com informações do G1, a previsão é que o velório da ex-primeira dama aconteça no sábado, 4, em São Paulo. #Crime