De acordo com dados do Sindicato da Polícia Militar do Espírito Santo, desde que a corporação anunciou uma greve, no sábado, 4, mais de noventa pessoas teriam sido assassinadas com violência na grande Vitória. O governo estadual ainda não possui dados concretos sobre o caos na região. Os agentes pedem um aumento salarial, mas as fontes do estado garantem que já estão tendo dificuldades para fazer o fechamento da folha de pagamento atual e que, um aumento nesse momento, não seria possível, já que, em breve, o que poderia ocorrer era uma dívida do governo com os seus servidores.

Segundo alguns sites de notícias, ainda nesta quinta-feira, 9, a situação era caótica no Espírito Santo. Pela manhã, na grande Vitória não estavam circulando a maioria dos ônibus municipais e intermunicipais, impossibilitando as pessoas de irem trabalhar.

Publicidade
Publicidade

As escolas, que deveriam voltar às aulas nessa semana, não tiveram expediente. O estado vive em crise e uma situação como essa tende a piorar a receita, que já está em baixa, já que com todo mundo sem poder sair de casa, não existe circulação de moeda. Os moradores já estão estocando alimento em suas casas.

Enquanto isso, nas redes sociais, os capixabas compartilham imagens e vídeos do caos. A maior parte dos conteúdos mostra uma situação macabra, tendo de exposição de corpos a vídeos que mostram incêndios, por exemplo. A revolta da população é explícita, mas até agora nada foi feito para contornar esse tipo de situação. Enquanto isso, o Exército já está nas ruas, mas as reclamações de violência continuam.

Veja abaixo um vídeo que mostra como estão acontecendo os saques na região. Como a imagem mostra, algumas das iniciativas são realizadas por um grupo grande de pessoas.

Publicidade

Na sua opinião, como esse tipo de situação pode ser contornado pelas autoridades? Apenas o aumento salarial exigido pelos militares prevenirá novas ações do tipo? Não esqueça de deixar o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda a estabelecer o diálogo da sociedade.

#Crime