Uma menina matou o próprio pai após ter sido estuprada por ele e o crime chocou toda família e amigos mais próximos, porém, a adolescente afirmou que se fosse preciso, ela faria de novo. O crime aconteceu na cidade de Tarauacá, no Acre e se tornou um dos principais assuntos do município. Em cada bar, cada esquina, tem sempre alguém comentando o assassinato.

A adolescente, de apenas 14 anos de idade, contou que há muito tempo vinha sendo abusada sexualmente pelo pai, que tinha 34 anos. Na última vez que o homem a estuprou, ela pegou a espingarda e o matou com um tiro certeiro.

No dia seguinte, a garota confessou à polícia que matou o pai e não mostrou nenhum arrependimento, pelo contrário, estava até mais aliviada, pois além dos estupros que vinha sofrendo, sempre era ameaçada para não contar nada a ninguém.

Publicidade
Publicidade

José Carlos Bezerra, presidente do Conselho Tutelar, esteve presente durante o depoimento da adolescente e contou que ela ficou abalada com tudo isso, mas em nenhum momento chorou e afirmou que mataria o pai de novo, porque há vários anos ela vinha sendo abusada sexualmente. Ela acredita que se o pai estivesse vivo, continuaria sendo estuprada constantemente.

A vítima foi ao Ministério Público, acompanhada da mãe e preferiu permanecer em silêncio durante todo o tempo. Em seguida, ela esteve com uma psicóloga, onde passou por uma avaliação e o laudo é que vai definir se ela precisará ficar em um abrigo, mas a adolescente não foi apreendida, indo direto para casa.

Na noite em que o crime aconteceu, a mãe da garota foi dormir, já eram quase 23 horas, e o pai, que estava bebendo, buscou uma faca e obrigou a filha a manter relações sexuais com ele.

Publicidade

Em seguida, como sempre fazia, o homem a ameaçou e disse que se ela contasse para alguém, iria matar a mãe dela e toda a família.

Acontece que a mãe da menina acordou e não vendo o marido deitado na cama, levantou para ver se tinha acontecido algo e foi aí que flagrou ele com a filha. O homem ficou furioso e começou a dizer que seria obrigado a matar as duas, para que não houvesse nenhuma testemunha. Os pais da adolescente começaram a discutir e, em pouco tempo, já estavam se agredindo. A menina pegou a espingarda e atirou no pai.

Os vizinhos chegaram a socorrer o homem, mas ele não resistiu e morreu. #Violência #Casos de polícia #Morte