O mestre-sala do Salgueiro, Sidclei, teve que sambar para não ser morto. O profissional do samba é um dos mais conhecidos do #Carnaval do Rio de Janeiro, mesmo assim, não foi reconhecido por bandidos. Ele quase não pôde desfilar neste domingo, 26, graças ao susto que acabou levando. Por volta das nove da noite de sábado, 25, ao chegar em casa, na Zona Norte da cidade, ele foi rendido pelos criminosos, que estavam fortemente armados. Os meliantes queriam o automóvel que Sidclei usou para fazer o seu deslocamento até seu imóvel.

O Salgueirense passou por um grande susto e teve uma ideia, no mínimo inusitada, para conseguir se livrar dessa.

Publicidade
Publicidade

Ele informou que era mestre-sala de uma das escolas mais conhecidas da cidade. Os bandidos, no entanto, não acreditaram muito na informação. Inicialmente, eles acreditavam que Sidclei, ao falar que era do Salgueiro, na verdade, era do Morro do Salgueiro, que é uma comunidade da cidade. O pior poderia, de fato, ocorrer, já que o Salgueiro é uma facção rival à dos criminosos. Sidclei então teve que, literalmente, sambar para se livrar dessa.

Conversa com jornalistas

Em entrevista à TV Bandeirantes, ele contou como tudo aconteceu. "Eles acharam que eu era do Morro do Salgueiro. Expliquei que era mestre-sala, mas eles não se convenceram", disse ele tentando esquecer aqueles momentos que, certamente, continuarão sendo lembrados por muito tempo. Sidclei informou que os bandidos chegaram, inclusive, a colocar uma arma na cabela dele.

Publicidade

Foi então que ele explicou que era da escola de samba e que precisava desfilar no dia seguinte. Surpreendentemente, os criminosos se compadeceram do homem e o libertaram.

Crime com pessoa próxima

De acordo com o popular sambista, ele nasceu de novo. O par da porta-bandeira Marcela informou na conversa com os jornalistas que, a partir de agora, deveria fazer aniversário no dia 25 de fevereiro. É bom lembrar que o sambista chegou a perder uma pessoa próxima assassinada. Ele disse que, nesse momento, um filme passou por sua cabeça. #Crime