O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello concedeu, nesta quinta-feira (23), o habeas corpus ao ex-jogador do #Flamengo #Bruno, com isso o goleiro poderá responder o processo por homicídio triplamente qualificado de #Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado do filho em liberdade. Bruno foi condenado a 22 anos de prisão em 2013 e está preso desde 2010 - o jogador deve deixar a prisão ainda hoje (24). Bruno está preso na APAC, em Santa Luzia, desde outubro de 2015.

Segundo o ministro, o que favoreceu a sua decisão foram os fatos do goleiro ser réu primário e ter bons antecedentes criminais. Em sua medida cautelar, Marco Aurélio disse que o clamor popular não é elemento suficiente para a condenação do réu, o ministro também ressaltou que até o presente momento Bruno está preso por 6 anos e 7 meses sem culpa formada.

Publicidade
Publicidade

O alvará foi emitido na noite de ontem (23) e foi enviado à Vara de Execuções Penais de Santa Luzia, cidade próxima a capital mineira.

Relembre o caso

A estudante paranaense, Eliza Samudio, desapareceu em 4 de junho de 2010, na época com 25 anos de idade. Eliza, que foi amante do goleiro, brigava na justiça para que Bruno reconhecesse a paternidade do filho. Denúncias anônimas ajudaram aos investigadores a encontrarem o paradeiro do bebê e constatarem o desaparecimento da estudante em uma das propriedades do goleiro do Flamengo em Minas Gerais, tornando Bruno o principal suspeito de seu desaparecimento.

Segundo inquérito policial, a estudante foi levada forçadamente do Rio de Janeiro à Minas Gerais, foi mantida em cativeiro, executada e esquartejada pelo ex-policial Marcos Aparecido dos Santos por ordens do goleiro.

Publicidade

Porém até hoje o corpo da estudante nunca foi encontrado. Bruno está preso desde 2010; sua ex-mulher, Dayane Rodrigues, foi julgada pelo mesmo crime, porém ela foi considerada inocente; Luiz Henrique Romão, o Macarrão, apontado como braço direito do ex-jogador foi condenado a 15 anos de prisão; Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, principal suspeito de ter matado Eliza está preso desde 2010.