Empresários da #Odebrecht por meio de #Delação premiada, apontam o bispo Marcos Pereira (PRB) como beneficiário de uma propina equivalente a R$ 7 milhões. De acordo com a delação, os valores foram destinados a Marcos Pereira, atual ministro da Indústria e Comércio. O dinheiro foi depositado nas contas do atual ministro, em troca de apoio para campanha da chapa Dilma Rousseff e Michel Temer, em 2014.

Na época, a Igreja Universal do Reino de Deus também deu apoio à reeleição de Dilma. Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo cita que a Odebrecht teria repassado em torno de R$ 30 milhões em propinas para políticos. Desse total, R$ 23 milhões foram repassados para partidos como PROS, PCdoB, PP e PDT, em troca de apoio incondicional à chapa.

Publicidade
Publicidade

Os delatores afirmam que Marco Pereira atuou de forma direta na negociação de propinas. Segundo as investigações, ele negociava os pagamentos com o empresário Alexandre Alencar, que está preso junto com outros 70 executivos da Odebrecht. De acordo com as informações, todos os presos resolveram participar do acordo de delação premiada, que já foi oficializado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Ainda de acordo com as investigações, na época, Pereira teria visitado a sede da Odebrecht, com o propósito de combinar o valor das propinas, que seriam pagos em parcelas. Após ser procurado pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, o ministro negou seu envolvimento na operação. "Não tratei nada com ninguém", disse ele.

O ministro afirma que manteve diálogos com a Odebrecht para pedir doações de campanha.

Publicidade

Segundo ele, as doações foram declaradas à Justiça Eleitoral. Em 2014, durante a propaganda eleitoral de TV, o PRB ganhou 2 minutos e 39 segundos para dar apoio condicional à chapa encabeçada por PT e PMDB. Isso garantiu 10 minutos de propaganda petista, contra seis minutos de propaganda do PSDB.

A denúncia do suposto pagamento de propina para apoio político à campanha de Dilma e Temer, em 2014, está sendo investigada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O processo está apurando o abuso de poderes políticos e econômicos durante a campanha. Estima-se que a nova denúncia será fundamental para o impeachment de Michel Temer. #Marco Pereira