Uma mulher acusada de matar um garoto de dois anos foi arrastada para fora de uma delegacia da Polícia Civil em Novo Aripuanã (distante quase 229 km de Manaus), na última terça-feira (07), segundo relatou o delegado do departamento, Vinicius de Melo. De acordo com informações locais, o delegado foi atingido por uma pedrada na cabeça e precisou ser medicado. Já a mulher acusada foi arrastada e jogada em uma fogueira.

De acordo com os policiais locais, um grupo com cerca de 500 pessoas atacou o departamento onde a mulher estava presa acusada de ter matado uma criança de apenas dois anos de idade. Populares afirmam que ela ateou #Fogo em uma casa onde estavam sete pessoas, dentre elas três crianças.

Publicidade
Publicidade

As outras duas crianças estão internadas e fora de perigo, mas uma delas, de dois anos de idade, foi transferida com urgência para um hospital de Manaus, mas não resistiu às #queimaduras e morreu no Pronto-Socorro 28 de Agosto, na capital amazonense.

Por volta das 15 horas da terça-feira (07), familiares e populares atacaram o departamento de polícia no intuito de fazer vingança, apedrejaram a corporação e atearam fogo nas viaturas. Em seguida, arrastaram a acusada da cela e começaram a espancá-la, e com a revolta da população, a mulher foi jogada ao fogo ainda consciente.

A ação brutal foi registrada pelos próprios moradores que mostraram toda a ira contra a suposta criminosa. Ela estava bastante machucada quando dois homens agarraram ela pelos cabelos e jogaram dentro de uma fogueira. A mulher ficou desesperada e aos gritos, como se pode ver no vídeo abaixo.

Publicidade

A população queria matá-la, mas os policiais conseguiram impedir e solicitaram reforço para conter a fúria dos presentes. A mulher ficou bastante machucada e com queimaduras nas pernas e nos braços. Devido à grande confusão, ela será transferida para outra cidade para tentar acalmar a fúria em Novo Aripuanã, explica o delegado.

A Polícia Civil informou que fez a solicitação de reforço junto ao Comando da Polícia Militar (CPM) por meio de uma nota, que rapidamente enviou uma tropa de homens locados na cidade de Borba, a cerca de 151 quilômetros da capital, e também mais oitos policiais do Comando Especial (CPE) de Manaus, que chegaram ao local com uma aeronave alugada. #Novo Aripuanã