Uma moradora do Morro do Cajueiro, em Madureira, na Zona Norte do Rio, furtou produtos de um supermercado da região. Ela foi flagrada com alguns itens debaixo de suas roupas, como arroz. Essa teria sido a segunda vez que a mulher foi vista no mercado furtando. Ela alegou, inicialmente, aos seguranças, que sua família passa por dificuldades financeiras e que quando pede ninguém dá nada. Mesmo assim, os seguranças não se solidarizaram com a ré confessa. Eles decidiram gravar um vídeo que mostra o momento em que espancam a ladra de arroz. Desesperada e chorando, a mulher é obrigada nas imagens a confessar que roubou o mercado.

A vítima das pancadas dos dois homens ainda jura que não fará mais isso.

Publicidade
Publicidade

Em alguns momentos, o segurança do supermercado chega a jogar a cabeça da mulher contra uma parede. De acordo com informações da 29ª Delegacia de Polícia- Madureira, após tomar conhecimento das informações veiculadas pela imprensa e ver o vídeo que viralizou nas redes sociais, o Delegado titular da unidade vai instaurar um procedimento para apurar os fatos. Não se sabe se algum dos homens que aparece nas imagens foi preso.

As imagens revoltaram muitos internautas. "É um processo ganho, de ré a uma indenização bem gorda pra ela, é errado roubar? Sim é errado, mas um erro não justifica o outro", disse um homem que viu as imagens e ficou indignado. "Roubando alimentos, foi isso mesmo que li? ALIMENTOS!!! Indignação total! Não que eu defenda a atitude de roubar, mas achei muito desnecessário essa atitude desses babacas! Poderiam ser flexíveis e chamar a polícia, ou até mesmo "tentar entender" o porque ela fez isso", completou outro também mostrando estar indignado.

Publicidade

Veja abaixo o vídeo que mostra a mulher confessando que realmente furtou para comer. Na sua opinião, a reação dos profissionais da segurança foi exagerada, ou deveria realmente ser a exibida nas imagens filmadas por eles mesmos? Não esqueça de deixar o seu comentário. A sua opinião é sempre importante para todos nós e ajuda no diálogo.

#Crime