No fim da manhã desta última sexta-feira (10), vários familiares de policiais militares que protestavam por melhorias de direitos de seus parentes, agrediram um oficial em Mesquita, Rio de Janeiro. O grupo era composto em sua maioria por mulheres de outros agentes que montaram um acampamento em frente ao vigésimo Batalhão de Polícia Militar de Mesquita.

Elas ficaram revoltadas com o major identificado como Cláudio Halicki que tentou sair do local, ele foi agredido e xingado pelas mulheres. As cenas do tumulto foram gravadas pelos próprios manifestantes, que fizeram questão de enfatizar que o oficial não estaria apoiando a causa dos próprios colegas.

Publicidade
Publicidade

Nas imagens é possível ver o momento em que o Halicki tenta sair e é agarrado por duas esposas de PM’s, que seguram na gola de sua camisa e batem no mesmo.

Em meio aos tapas e chutes que recebeu, se escuta ao fundo nas gravações algumas mulheres gritando para que o ‘cretino’ e ‘vagabundo’ fosse filmado. São vários golpes recebidos por ele, que em nenhum momento revida ou dá voz de prisão a elas. Ele tenta veementemente se desvencilhar das manifestantes que ficam em polvorosas.

O oficial, que aparece vestindo camisa listrada vermelha e azul, e calça jeans, chega a perder o equilíbrio e cair no chão, mas depois se levanta e finalmente após de muitas tentativas, consegue seguir seu caminho. Ao fundo das cenas é possível visualizar cadeiras de praia utilizadas para montar o acampamento que já persiste por alguns dias.

Publicidade

Assista ás cenas da confusão no vídeo a seguir:

Os protestos fazem parte de um movimento de familiares de policiais militares, que começou no Espírito Santo e se estendeu para o Rio de Janeiro. No estado capixaba, a greve dos oficiais causou sérias repercussões, na capital Vitória por exemplo, houve um aumento de mais de 100% na taxa de homicídios só na última semana. Além disso, vários comerciantes perderam tudo, devido aos roubos e saques que aconteceram às lojas.

O movimento, de maneira geral pede por melhorias na condição de trabalho dos policiais. Além do mais, estão sendo requeridos aumentos e reajustes salariais, pagamento do 13º salário, e auxílios como o de alimentação e transporte. Pelo regimento interno na PM, os agentes ficam proibidos de fazerem qualquer tipo de manifestação, sob pena de até dois anos de prisão, além do pagamento de multa.

Por isso, são os familiares que estão acampados do lado de fora dos Batalhões impedindo que os oficiais saiam para trabalhar. As greves têm causado discordâncias de opinião e afetam diretamente a população. O governo federal já enviou reforços das forças armadas, para controlar a situação em Vitória. #Crime #Casos de polícia