Uma das mortes que mais marcou os brasileiros, nos últimos tempos, foi a envolvendo o ex-candidato à presidência da república e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, do PSB. Isso porque, assim que o avião que levava Eduardo à cidade de Santos, no estado de São Paulo, iniciou-se uma operação da Polícia Federal com a justiça. A Operação Turbulência teve como objetivo entender o que motivou a queda aérea, mas acabou descobrindo coisas que a maioria nem poderia imaginar. O nome de Campos agora aparece aliado a um grande escândalo de corrupção. A investigação teve como objetivo inicial saber se a queda do avião de Eduardo seria mesmo um acidente ou se seria uma sabotagem. Após mais de dois anos do acidente, os investigadores concluíram que a queda da aeronave não foi proposital e que um conjunto de fatores pode explicar o fato do avião ter caído.

Publicidade
Publicidade

A investigação da morte de Eduardo voltou à tona após uma nova queda aérea, dessa vez, envolvendo o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki. A aeronave dele caiu nos mares de Paraty em outro momento importante para o Brasil, quando Teori analisaria se abriria as delações premiadas de cerca de 70 envolvidos na Lava Jato apenas em função de destaque na empreiteira Odebrecht. Já se sabe que os depoimentos dados para as possíveis delação citam muitos partidos políticos, inclusive o presidente da república Michel Temer. O peemedebista, nesta segunda-feira, 6, indicou o atual Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para assumir a vaga. Muita gente criticou e disse que a escolha de Alexandre era oportunista.

Na semana passada, um das etapas da 'Operação Turbulência', a 'Vórtex', descobriu que a empresa dona do avião que levava #Eduardo Campos, na verdade, teria efetuado uma venda do avião apenas dois dias antes dele cair em Santos.

Publicidade

Uma terceira empresa, que até então não era alvo da investigação, também teria participado da empreitada. Ao analisarem a situação, os policiais federais descobriram que essa tinha uma fonte ligação com o governo de Pernambuco e à figura de Campos. Ela, inclusive, teria feito doações a políticos do estado. #É Manchete!