Um padre de 55 anos foi encontrado gravemente ferido em um motel da cidade de Divinópolis, em Minas Gerais. Ele chegou ao local acompanhado de outro homem em um carro. De acordo com funcionários do estabelecimento, os dois ficaram por 40 minutos dentro de uma suíte e depois o homem que estava com com o padre foi embora, arrancando em alta velocidade. A suspeita é que o pároco tenha sido roubado e sequestrado. O religioso foi encontrado por uma funcionária do motel apenas no dia seguintea. Ela, ao chegar para fazer a limpeza do quarto, verificou que a porta estava trancada. A mulher então chamou um chaveiro para que abrisse a porta. Ao conseguir entrar no quarto, ela encontrou o padre dentro da suíte completamente embreagado e pedindo para não identificar o nome.

Publicidade
Publicidade

De acordo com informações do portal de notícias G1, em matéria publicada nesta quarta-feira, 8, o padre pediu a funcionária da limpeza que fosse enviado para um hospital. O portal revela que eu pároco foi levado para o Hospital Santa Mônica, onde teve seus ferimentos tratados. A Entidade hospitalar disse que não poderia passar informações sobre o paciente, pois não teve essa autorização dos envolvidos. De acordo com a ética médica, qualquer tipo de informação sobre um paciente apenas deve ser passada caso ele permita que essa informação seja revelada, ou então se os seus familiares façam isso.

O caso foi registrado pela polícia da região. Em depoimento dado aos policiais, o padre revelou que dirigia o seu carro quando, ao passar por um quebra-mola, avistou um homem.

Publicidade

Esse homem teria o interceptado e depois disso o religioso garante que não se lembra mais de nada. Uma das hipóteses é que o padre tenha contratado o serviço de um garoto de programa e depois acabou sendo enganado por ele. Polêmicas com religiosos são bastante comuns. No início do ano, por exemplo, o Apóstolo Valdemiro Santiago acabou levando uma facada durante um culto realizado pela manhã na igreja mundial do reino de Deus, localizada no estado de São Paulo. Waldemiro acabou ficando bem. #Crime