Familiares de policiais militares do Rio de Janeiro começaram na noite desta última quinta-feira (09), por volta das 20 horas, uma manifestação idêntica ao que vem acontecendo no Espírito Santo. Parentes dos PMs estão acampando na porta dos batalhões, mas por enquanto o policiamento no Rio está normal. Inclusive, o comando informou através das redes sociais que a troca de turno foi feita de forma tranquila, sem nenhum tipo de transtorno. Moradores do #Rio de Janeiro que precisaram sair cedo para o trabalho estavam preocupados, mas encontraram tudo funcionando normalmente. Trens, metrô e até mesmo os ônibus estão circulando como nos demais dias, sem nenhuma alteração.

Publicidade
Publicidade

Para tranquilizar a população, o Major Ivan Blaz, que é porta-voz da Polícia Militar no Rio, divulgou um vídeo durante a madrugada confirmando que as tropas seguem sua rotina sem nenhum problema. A postagem feita no Twitter realmente deixou a população mais aliviada, pois muitos não sabiam como iam proceder, caso os policiais militares não saíssem dos batalhões, como vem acontecendo no Espírito Santo.

A assessoria de imprensa da Supervia também tranquilizou a todos, confirmando que o funcionamento das estações segue normal e os trens estão circulando sem atraso. O único problema previsto é no ramal de Santa Cruz, mas é devido a uma manutenção que será feita nos cabos, afetando as estações de Bangu e Santíssimo. O serviço foi marcado para ser realizado entre as 10 e 15 horas, fora do horário de grande circulação dos usuários, evitando assim maiores transtornos.

Publicidade

O metrô do Rio também segue com os intervalos normais e nenhum incidente ainda foi registrado na manhã desta sexta-feira (10). A CCR Barcas negou os rumores de atrasos ou parada de serviço e garantiu que em todas as estações está tudo normal.

O comando da Polícia Militar seguiu de perto o movimento durante toda a madrugada e por enquanto está tranquilo, pois as trocas de turnos aconteceram conforme o esperado e em nenhum batalhão os policiais foram impedidos de sair, mas os familiares estão chegando em número cada vez maior e a situação pode se complicar no decorrer do dia. #Greve #Casos de polícia