Na noite da última quarta-feira (22) a Polícia da cidade de Hidrolândia em Goiás, prendeu o pastor Daniel Batista de Moraes de 31 anos.

Daniel Batista estava foragido após ser condenado a nove anos de prisão pela justiça. Durante este tempo ele andava normalmente pela cidade de Aparecida de Goiânia, onde criou uma casa para recuperação de dependentes químicos com o nome “Resgatando Vidas”.

Teoricamente a casa de recuperação ajudava dependentes químicos no processo de libertação das #drogas, mas algo chamava atenção de todos na cidade. Daniel explorava e agredia os internos para que os mesmos trabalhassem para ele vendendo balas, o lucro ficava apenas para o #Pastor.

Publicidade
Publicidade

Para que atingissem a meta de venda os internos eram obrigados a disputarem pontos de vendas de balas nos transportes públicos.

Após varias denuncias, a Polícia Civil organizou uma operação liderada pelo delegado Wellington de Carvalho. Durante a investigação foi preciso rastrear o celular do foragido, sendo assim possível encontrar o local exato aonde o pastor se escondia.

Após prendê-lo o delegado do caso explanou informações sobre o #preso. Além dos crimes que constam na ficha de Daniel, ele agora será investigado por maus-tratos e exploração de pessoas. O delegado também afirmou que já está convocando os membros da casa de recuperação para prestarem depoimentos.

Sobre a casa de recuperação a polícia informou que não existe alvará de funcionamento, mas ainda não tem nenhuma medida para fecha-la.

Publicidade

Por enquanto a esposa de Daniel, a senhora Geice Moreira de Moraes, está cuidando da instituição mesmo estando sobre investigação também.

Na ficha criminal de Daniel Batista consta que ele foi condenado a nove anos de prisão por assassinato de um homem chamado Damião; ele matou este homem a pedradas e pauladas durante o natal do ano de 2007. E também consta mais dois anos de reclusão em regime aberto pela tentativa de assassinato de um jovem em outubro de 2006, Daniel e um amigo atiraram contra o jovem e acertaram as pernas. Na época o atingido pelas as balas necessitou amputar as pernas.