Um dos presos mais conhecidos do Brasil, o ex-goleiro Bruno Fernandes de Souza, de trinta e dois anos, recebeu nesta sexta-feira, 24, uma notícia muito importante para a sua vida e carreira, ele será solto. Após sair da prisão, o ex-goleiro pretende voltar ao Futebol e isso tem revoltado muita gente. O Flamengo já descartou reabrir suas portas para Bruno. Em 2010, ele era um dos maiores nomes do clube, cogitado, inclusive, para jogar na seleção brasileira. No entanto, ele acabou sendo preso por um crime gravíssimo, a morte e ocultação do cadáver se sua amante, Eliza Samúdio. Eliza é mãe de um filho do jogador.

A decisão para soltar Bruno vem do Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello.

Publicidade
Publicidade

O magistrado diz que não há nenhum motivo cabível para Bruno estar preso a tanto tempo e ao mesmo tempo à espera de um julgamento. O atleta está há quase sete anos detido. Atualmente, ele está preso em um presídio de Minas Gerais. Bruno é responsável pela segurança do local. O ex-goleiro é uma pessoa muito admirada na penitenciária e tem as chaves de todas as selas. É comum, em algumas prisões, os detentos ajudarem na manutenção do espaço. Eles ganham uma pequena quantia para isso, que é usada para compra de material de limpeza, além de uma parte ficar guardada para quando a pessoa deixar a prisão.

O advogado do ex-goleiro, Lúcio Adolfo, revelou ao portal de notícias UOL na entrada da Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado) que o ex-atleta chorou muito ao saber que enfim seria liberto.

Publicidade

Até hoje, Bruno se diz inocente pela morte da mãe de seu filho. A soltura dele acontece por meio de um habeas corpus. De família evangélica, o famoso detento se agarrou nos cultos e na bíblia nos quase sete anos que passou na cadeia.

Na sua opinião, o Ministro do Supremo fez bem ao anunciar a liberdade de Bruno, mesmo que seja até o novo julgamento do caso? Deixe seu comentário. Ele é sempre importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevantes à sociedade. #Goleiro Bruno #Crime