O pastor Silas Malafaia é conhecido em todo o Brasil por conta de suas opiniões polêmicas. O religioso, líder da Igreja evangélica Vitória em Cristo, já arranjou confusão com muita gente e, costumeiramente, usa as redes sociais para fazer críticas a algumas personalidades, em especial do mundo político. No entanto, agora Malafaia é acusado de algo muito grave, um crime que pode estremecer até mesmo a sua igreja. É o que mostra uma reportagem publicada pela Revista Isto É em uma matéria publicada nesse fim de semana. Em uma relatório conseguido através da Polícia Federal, o pastor é acusado de participação na ocultação de valores ilícitos, ou seja, de ajudar na lavagem de dinheiro para os corruptos.

A lavagem de dinheiro, como mostra a reportagem, aconteceria por meio de um desvio envolvendo os royalties da mineração.

Publicidade
Publicidade

No dia 16 de dezembro do ano passado, por conta do caso, Malafaia já havia sido obrigado a seguir os policiais federais, por meio da chamada condução coercitiva. Malafaia é um dos principais nomes investigados da chamada Operação Timóteo. O nome da operação se baseia em um dos livros do Novo Testamento da Bíblia. Em um dos capítulos desse live, existe uma passagem que diz que quem quer ficar rico acaba caindo em armadilhas e desejos que não podem ser controlados. Por isso, tais pessoas mergulhariam na própria destruição, ou seja, trariam a própria ruína para suas vidas.

Se o #Pastor Malafaia realmente caiu em tentação, apenas o decorrer da investigação vai dizer. De qualquer forma, ele está tendo que explicar aos fiéis a acusação que envolve os prazeres da carne. Uma das principais provas da Polícia Federal contra o líder religioso é um cheque no valor de cem mil reais.

Publicidade

O documento foi enviado pelo escritório de Jader Pazinato. O valor, considerado alto, foi depositado na conta do pastor. O dinheiro teria sido desviado de pequenas prefeituras e, por isso, Silas passou a ser indiciado por peculato e corrupção ativa. O indiciamento é o primeiro passo para um possível condenação. #Religião