O pastor Silas Malafaia foi indiciado por participação no esquema de royalties da exploração de mineral e por lavagem de dinheiro pela #Polícia Federal na operação Timóteo. Segundo a PF, ele depositou um cheque de R$ 100.000 em uma de suas contas pessoais de escritórios ligados a royalties. O pastor Silas foi levado para depor sobre o assunto no mês de dezembro de 2016 e solto em seguida.

O pastor disse que o dinheiro foi uma doação para igreja e que tudo foi declarado legalmente. Disse também que agir dessa forma seria burrice da parte dele e que vai provar para a Justiça, através de extratos bancários, que é inocente, e também alegou estar sendo perseguido pela Polícia Federal.

Publicidade
Publicidade

A PF levantou uma investigação que indica a participação do Pr. #Silas Malafaia e outros integrantes no esquema que envolve a prática de vários delitos contra entidades públicas, principalmente, a lavagem de dinheiro.

O delegado tem indícios concretos da participação do líder religioso nos crimes. Logo após a formalização das evidências que foram colhidas ao decorrer da investigação, o indiciamento é encaminhado pela Polícia Federal ao Ministério Público. Em seguida, os procuradores analisam o relatório da PF e se constatarem que há provas suficientes contra o indiciado, ficam responsáveis por apresentar denúncia à Justiça.

Veja quando começou a operação

A operação Timóteo foi uma operação em 11 estados e também em Brasília. Segundo a PF, os envolvidos estavam desviando 65% da compensação financeira pela exploração de recursos minerais no ano de 2015, na qual foram desviados cerca 1,6 bilhão.

Publicidade

De acordo com os investigadores, eles também faziam contatos com municípios que possuíam créditos agrupados com empresas de mineradora para oferecer serviços.

Na época, o líder religioso disse que tinha sido acordado com seu telefone tocando e que sua família havia dito que a PF estava em sua casa. No momento da operação ele estava em São Paulo, porém, disse por meio de telefone que se apresentaria à PF. No depoimento, Malafaia afirmou que o dinheiro havia sido de doação, que recebia doações de vários fieis de sua igreja e questionou se isso o tornaria ladrão e corrupto.