O famoso “twittaço” comandado por #Silas Malafaia, diariamente, foi substituído por palavras como “jornalista safado” ou “canalha”, ao se referir a reportagem da 'Isto É' que fala de seu indiciamento, que ocorreu no dia 19 de dezembro, mas só agora se tornou público.

O pastor, que desde o início da crise política passou a ser conhecido por “brigar” na internet com qualquer um que tenha ideologias de esquerda ou simplesmente não concorde ou goste do religioso, foi indiciado pela #Polícia Federal, na Operação Timóteo, por lavagem de dinheiro.

Malafaia foi levado para depor em dezembro sob a suspeita de ter emprestado uma conta bancária, ligada à igreja, para receber valores ilegais de cobranças jurídicas relacionadas a royalties da exploração mineral.

Publicidade
Publicidade

O religioso negou todas as acusações, dizendo que recebeu R$100 mil de doação pessoal, depositou em sua conta bancária, declarou no imposto de renda e depois a deu como oferta na igreja.

Em um vídeo divulgado pelo pastor, ele usa palavras “amáveis” para lidar com um jornalista que falou sobre o caso, em primeira mão, no início da madrugada. Malafaia pede para os seus fiéis não se escandalizarem com a falsa acusação que lhe é imputada pelo jornalista Aguirre Talento, que recebe as palavras de “vagabundo, bandido, inescrupuloso e mal caráter”.

Para o pastor, o responsável pelo seu problema com a justiça é o referido jornalista, que teria reciclado uma matéria de quando o religioso começou a ser investigado. Silas diz que foi indiciado em dezembro e que a notícia de agora é antiga e falsa.

Publicidade

Ele também diz que o jornalista da revista já foi processado e preso por calúnia.

Entretanto, as palavras usadas pelo religioso para se referir ao profissional de imprensa podem fazer com que Malafaia fique no banco dos réus, caso o jornalista decida processá-lo por crimes contra a honra.

Exageradamente alterado, Malafaia demonstra seu ativismo político até na hora de se defender da acusação: “Será que esse cara é um esquerdopata, amiguinho do ativismo gay?”. Apesar de ser ativista, Malafaia é contra todo tipo de ativismo, inclusive, quando se refere a correntes políticas contrárias as duas ideologias, ou a grupos LGBT's.

O pastor também é cotado para ser o vice de Bolsonaro em uma eventual chapa para as eleições presidenciais de 2018.

Assista ao vídeo:

#Crime