A cidade de Vitória, capital do Espírito Santo está vivendo uma onda de #Violência aterrorizante, em apenas dois dias aconteceram 51 assassinatos. A população está apavorada desde que a Polícia Militar entrou em greve no estado. Cidades da região metropolitana de Vitória também estão sob o domínio da bandidagem. Saiba mais aqui.

De acordo com o portal de notícias online do jornal Extra, por causa da greve da PM e devido à grande violência que toma conta da grande Vitória, o governador em exercício do Espírito Santo, solicitou ao presidente Michel Temer o envio de tropas federais para o estado.

51 assassinatos em pouco mais de 24 horas

Segundo a Polícia Civil da madrugada de domingo (5), até as 10h da manhã desta segunda-feira (6), foram registrados em Vitória e na região metropolitana cerca de 51 assassinatos.

Publicidade
Publicidade

Os corpos foram encaminhados para o IML (Instituto Médico Legal) de Vitória e já está trabalhando com sua capacidade máxima.

Moradores reféns da violência

A população da grande Vitória está em pânico. Os cidadãos são reféns da violência e por este motivo o início do ano letivo na rede municipal foi adiado, jogos do campeonato de futebol capixaba também foram cancelados e a vacinação contra febre amarela no estado foi suspensa.

Para se der ideia do crescimento absurdo do número de crimes, em janeiro deste ano foi registrado apenas quatro assassinatos em na cidade de Vitória, já nos primeiros dias de fevereiro, aconteceram dois crimes de morte.

Com o anúncio e inicio da greve da Polícia Militar, o número de assassinatos disparou, foram registrados 8 mortes no sábado, 16 no domingo e contabilizados mais 27 até o fim da manhã desta segunda-feira.

Publicidade

Estão acontecendo verdadeiros massacres nas ruas da capital do Espírito Santo, a insegurança deixa a população estarrecida e já prejudica inclusive as vendas no comércio.

De acordo com o secretário de segurança André Garcia, as negociações com os policiais militares estão suspensas até que a corporação volte ao trabalho. Ele reconhece que desde que a greve foi anunciada, houve um grande aumento no número de crimes e principalmente dos assassinatos.

Familiares dos PMs em greve fizeram uma manifestação em frente aos principais Batalhões impedindo a saída das viaturas. A negociação continua suspensa. #Casos de polícia