A Polícia Militar de #Goiás confirmou a morte de Luis Carlos Costa Gonçalves, 35 anos, suspeito de matar e ocultar o corpo da pequena Ana Clara, de apenas 7 anos.

O suspeito foi encontrado numa residência no setor Carolina Park. Na abordagem, segundo o tenente-coronel da Polícia Militar de Goiás, Ricardo Mendes (que é assessor de comunicação da corporação), o suspeito investiu contra os militares. O tenente-coronel afirmou que diante da conduta do suspeito, só houve a hipótese do confronto. Policiais extremamente bem treinados dispararam contra Luis Carlos, que morreu na hora. Ricardo Mendes ainda conta que esse não era o objetivo principal da polícia.

Publicidade
Publicidade

O papel da Polícia no caso, era prender e levar o suspeito para responder por seus crimes a uma autoridade competente.

Segundo a Polícia Civil, ele era conhecido na região e já foi vizinho da família da vítima. Ele estava morando em um bairro bem próximo ao de Ana Clara. Natural do Maranhão, ele trabalhava vendendo blocos de notas para comerciantes do Setor Campinas, camelódromo e região. A Polícia ainda afirmou que chegou até o suspeito, por denúncia de sua namorada que também disse estar sendo ameaçada pelo homem.

O assessor confirmou que o homem estava sozinho e recebeu a polícia com tiros.

O confronto aconteceu por volta das 14h15. A perícia chegou no local por volta de 15h20. O IML, responsável por recolher o corpo, chegou logo depois.

A vizinha que avistou a cena afirma que três carros de polícia chegaram na hora indicada do confronto e que ouviu dois disparos.

Publicidade

Logo depois um policial saiu da casa do homem afirmando que se tratava do suspeito de matar Ana Clara.

O corpo de Ana Clara foi encontrado num matagal próximo a Goiânia, nesta quarta-feira (22), por volta de 9h. Segundo a polícia, o corpo estaria no local há pelo menos 3 dias. Ela desapareceu na sexta-feira (17)

O pai da #menina disse, em entrevista ao G1, que a morte do "bandido" foi justa, pois ele não merecia viver nesse mundo.

Populares tentaram depredar a casa do suspeito, um imóvel fechado no bairro onde morava a vítima, mas a polícia montada os impediu.

O #Crime é um dos mais brutais que o estado de Goiás já presenciou e a população estava mobilizada para encontrar o suspeito.