A situação da violência no Brasil está bastante grave. Muitos estados brasileiros, após a greve da Polícia Militar (PM) no Espírito Santo, temem que o mesmo movimento se arraste para outras regiões do país. Um dos estado onde o rumor de greve é mais forte é o Rio de Janeiro. Durante um coletiva, ao vivo, exibida no 'RJTV - 2ª Edição', da TV Globo, o porta-voz da corporação agradeceu aos militares por terem sido profissionais no Rio. De acordo com ele, 95% dos agentes estão na rua. Em alguns batalhões, muros foram quebrados a fim de que os agentes conseguissem ir e voltar do trabalho. Mesmo assim, uma onda de boatos atinge a internet. Nas redes sociais, moradores afirmam que viram assaltos, saques e outros crimes, mas nenhum vídeo ou foto é mostrado.

Em um dos batalhões, por exemplo, um grupo de mulheres, fez um protesto pelos seus familiares.

Publicidade
Publicidade

Elas se irritaram quando viram um PM famoso passar. O agente é o Major Claudio Halicki. Ele acabou levando uma verdadeira surra ao sair do Batalhão de Mesquita. O policial não reagiu, mas foi agredido severamente, tendo sua camisa puxada. A situação foi transmitida, ao vivo, através de um vídeo da internet. O momento da agressão pode ser visto ao final dessa reportagem. Números atualizados pelo RJTV dizem que de cerca de 100 batalhões, 30 tem algum tipo de protesto. No entanto, em apenas seis houve de fato algum tipo de paralisação ou problema por conta das manifestações.

Prefeitos da região, como Washington Reis, do município de Duque de Caxias, tiveram uma reunião com o governador do estado, Luiz Fernando Pezão, a fim de evitar motins. Eles se comprometeram a colocar os guardas civis na rua.

Publicidade

Isso tudo para afastar o medo da população. Pezão já promete um reajuste salarial aos policiais militares que pode ultrapassar os 10%. No ES, por exemplo, o pedido de aumento é de 100%.

Veja abaixo o vídeo que mostra as mulheres bastante irritadas com o fato do major estar saindo do batalhão e a greve dos policiais, efetivamente, não ter começado.

#Crime