O tão esperado calendário para saque do saldo das contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (#FGTS) está programado para ser divulgado nesta terça-feira (14). De acordo com a #Caixa Econômica Federal, todos os trabalhadores que possuem saldo remanescente e tiveram seu último registro de desligamento trabalhista até dia 31 de dezembro de 2015 tem direito ao saque.

Segundo o portal de notícias G1, são mais de R$34 bilhões disponíveis e os valores serão liberados a partir de março de 2017. Como espera-se que o movimento em busca do saque seja alto, a Caixa planeja criar uma programação de acordo com a data de aniversário do beneficiário.

Publicidade
Publicidade

Outras medidas estão sendo estudadas pela Caixa para evitar filas nas agências, como a transferência direta do valor do FGTS para a conta corrente, daqueles que são correntistas no banco, e a abertura de agências nos finais de semana.

Quem pode sacar o FGTS

Todos os trabalhadores que pediram demissão ou tiveram seu contrato de trabalho finalizado por justa causa até 31 de dezembro de 2015. Para saber se a conta é classificada como inativa, a Caixa disponibiliza consulta ao extrato através do aplicativo FGTS para Android, iPhone e Windows, como também, pelo site da Caixa para aqueles que têm senha de internet cadastrada e Cartão Cidadão, ou pelo Internet Banking, no caso de correntistas, ou ainda nas próprias agências da Caixa Econômica.

O Governo Federal estima que mais de 30 milhões de brasileiros possuem conta inativa do FGTS, sendo que o objetivo da liberação dos valores é aumentar a movimentação da economia.

Publicidade

Vale a pena sacar o FGTS?

O rendimento do FGTS é de 3% ao ano mais Taxa Referencial, sendo assim, seu valor enquanto investimento é muito baixo e tende a se desvalorizar frente à inflação, portanto, o conselho dos especialistas é que vale a pena sacar o valor parado em conta inativa, desde que seja utilizado para investimentos ou compra de imóveis.

Segundo a revista Exame, o trabalhador que puder resgatar o valor parado no Fundo deve fazê-lo mesmo que seja para investir na poupança, já que esta possui o mesmo risco, porém rende mais.

No caso de investimentos com maior rentabilidade, como Tesouro Direto, apenas beneficiários que possuem valores maiores a serem resgatados é que deverão utilizar esse saldo para tal, caso contrário a dica é fazer uso do dinheiro disponível para quitar e negociar dívidas. Segundo estimativas do governo, a maior parte dos valores disponíveis são inferiores a um salário mínimo.

A única advertência fica por conta daqueles que pretendem utilizar o valor disponível para consumo, como viagens, trocar de carro, adquirir um computado novo, entre outros, nestes casos não se deve utilizar o FGTS, já que este é uma reserva de emergência para momentos de dificuldade que poderão ocorrer no futuro.