No início da noite desta última sexta-feira (24), o alvará de soltura do goleiro foi entregue à penitenciária de Santa Luzia permitindo que o atleta deixasse a prisão nesse mesmo dia. O jogador foi preso em 2013 após ser acusado a vinte e dois anos e três meses de detenção fechada pela morte de sua ex-namorada, a jovem Elisa Samudio. Além disso, ele também foi acusado na época de ter sequestrado o próprio filho, pegando três anos e dois meses de detenção em regime semi-aberto. No entanto, a apelação da defesa permitiu que o atleta saísse da prisão bem antes do previsto na primeira condenação. Elisa foi morta em 2010, e apesar do trabalho incansável do corpo pericial da Polícia Civil de Belo Horizonte, o corpo dela nunca foi encontrado.

Publicidade
Publicidade

Durante o julgamento do jogador, teria ficado claro para a promotoria que o mesmo foi o responsável por matar, e ocultar o cadáver da jovem, com o qual teve o filho Bruninho. A criança hoje vive com a avó, mãe de Elisa, que teve autorização para ficar com a guarda do menino depois da morte da filha. Além de Bruno, dois outros envolvidos também foram condenados por envolvimento com a morte da modelo, dentre elas, o amigo de Bruno conhecido como Macarrão, que foi pegou quinze anos e três meses de detenção em regime fechado. Outro envolvido seria um primo do goleiro, que na época era menor de idade. Assista ao momento em que o jogador saiu da prisão acompanhado da esposa Ingrid e do advogado:

O goleiro concedeu entrevista logo depois dizendo que pagou muito caro pelo que fez, e que nem que ficasse a vida toda preso, se houvesse prisão perpétua em nosso país, traria a vítima de volta.

Publicidade

Ainda salientou a sua vontade de voltar a trabalhar no futebol.

Apesar da condenação na primeira instância, o advogado de defesa havia entrado com um recurso para recorrer da decisão em segunda instância, e o goleiro estava preso preventivamente sem que houvesse acusação formada uma vez que esse recurso não foi julgado ainda. Depois de quase seis anos e quatro meses de prisão, a defesa entrou com pedido para o atleta aguarde a decisão do recurso em liberdade, alegando o bom comportamento do mesmo dentro da penitenciária. E foi assim que o Supremo Tribunal Federal que julgou o pedido de soltura entendeu que seria melhor. O alvará foi assinado pelo ministro Marco Aurélio Mello, que entendeu não haver justificativas para o goleiro ficar preso enquanto aguarda a decisão do processo, que está demorando por uma questão burocrática. Contudo, para muitas pessoas inclusive a equipe investigativa que trabalhou para a prisão de Bruno, a soltura do mesmo é uma afronta ao sistema judiciário do nosso país. Muitos internautas também se manifestaram dizendo que é um absurdo que ele fique solto, após ter matado e sumido com o corpo de Elisa. #Crime #Investigação Criminal