No ano passado, um dos fatos que mais chamou a atenção dos brasileiros e do mundo foi a queda do avião que levava o time da Chapecoense para a final da Copa Sul-Americana. No dia 29 de novembro, a aeronave caiu na cidade de Medellín, na Colômbia. 71 pessoas morreram. De acordo com informações do site da Revista Veja, em matéria publicada nesta segunda-feira, 6, uma reviravolta deve marcar a maior tragédia esportiva da história do mundo. Isso porque o time de Santa Catarina pode ser processado e condenado. Isso porque, como mostra a matéria, foi o clube que decidiu contratar o avião e que fez o contrato envolvendo a empresa boliviana, que só tinha duas aeronaves.

Publicidade
Publicidade

O serviço de viagem, ida e volta, teria custado R$ 500 mil.

O advogado que defende as famílias de jornalistas da Rede Globo diz que o clube tem sim responsabilidade no transportado e que deveria ter deixado os repórteres em seu destino final. Entre os clientes que estão processando a chape estão as famílias dos globais falecidos Ghilherme Van der Lars e Guilherme Marques. O último era um dos repórteres mais promissores do canal, tendo grande destaque na Olimpíada. O profissional da justiça, identificado como Tancredo, revelou que já solicitou o contrato que o clube catarinense fez com a LaMia, a empresa que transportou os jogadores. Ele diz que quer saber quem ficou, por exemplo, responsável pela indenização dos passageiros em caso de acidente. A apólice de seguro nos nomes dos passageiros é obrigatória.

Publicidade

Em entrevista à VEJA, o vice-presidente jurídico do time abalado por uma tragédia, Luiz Antônio Palaoro, defende que as famílias se unam nesse momento e ajudem a realmente encontrar o culpado pelo seu acidente. Ele diz que a #Chapecoense não é a culpada pelo acidente, mas sim a vítima. De qualquer forma, Luiz diz que o advogado tem o direito de procurar esse viés. Ele diz, no entanto, que com as famílias se unindo contra o governo boliviano, companhia aérea e seguradoras as coisas tenderiam a ser mais fáceis. Já nessa semana, por exemplo, acontece na Bolívia uma reunião com a seguradora.