Nesta sexta-feira, 24, a justiça entendeu que o pedido da defesa do goleiro Bruno Fernandes de Souza, de trinta e dois anos, estava com um argumento verdadeiro e decidiu conceder a liberdade ao ex-atleta do Flamengo. A informação foi confirmada pelo site da Revista Veja e acabou chocando muita gente. A decisão foi dada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello. Ele decidiu conceder o que na justiça é chamado de Habeas Corpus. Com isso, Bruno poderá aguardar uma nova decisão da justiça em liberdade. É bom lembrar que o Bruno está na cadeia desde 2010. Ele, no entanto, foi condenado apenas em 2013. A condenação foi de vinte e dois anos de detenção. Fernandes é acusado de participar na morte de sua ex-amante, Eliza Samudio.

O Ministro do Supremo Tribunal Federal, através de sua argumentação, diz que Fernandes tem direito de dar resposta ao #Crime em liberdade.

Publicidade
Publicidade

Isso porque a morte de Eliza seria a primeira acusação que ele recebeu, além de ter bons antecedentes criminais. O magistrado diz que nada justifica o fato de Bruno estar preso há quase sete anos. Com isso, ele poderá aguardar os recursos do crime que é acusado em liberdade. Fernandes, recentemente, havia dado uma entrevista em que falava na possibilidade de, já no ano que vem, entrar no regime semiaberto, pois cumpriu um terço do total da pena e tinha bom comportamento. Ele já fazia planos para que isso ocorresse.

A decisão do STF costuma ser imediata, mas a Veja não disse se o ex-ídolo do Flamengo e que, na época da morte de Eliza era um dos nomes cotados para o lugar de Júlio César na seleção brasileira, já foi ou não solto. "A esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há 6 anos e 7 meses.

Publicidade

Nada, absolutamente nada, justifica tal fato”, diz o magistrado Marco Aurélio ao escrever sua decisão, que virou manchete em todos os grandes portais de notícia do Brasil. O Ministro alega que o goleiro tem residência fixa e que sempre teve atos lícitos em sua vida. E você, o que achou da decisão? Comente! #Investigação Criminal