O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) fez um vídeo, postado nesta quarta-feira (1º) em sua página no Facebook, em que defende que o Brasil abra suas portas abertas para receber os #Refugiados muçulmanos. Segundo ele, o mundo todo está chocado com a atitude do presidente dos Estados Unidos, #Donald Trump, por ter declarado que o país não receberia #imigrantes e nem refugiados por 90 dias de sete países muçulmanos.

Após fazer duras criticas a política de Donald Trump, o senador disse ainda que a primeira ministra da Alemanha, Angela Merkel, e o primeiro ministro do Canadá, Justin Trudeau, estão comovidos com os refugiados e que seus países estão de portas abertas para imigrantes e refugiados de todo o mundo.

Publicidade
Publicidade

Cristovam Buarque sugeriu que o presidente do Brasil Michel Temer possa convidar o presidente do México, Enrique Peña Nieto, para uma reunião sobre acolher os refugiados, e também unir todos os países da América Latina para afirmar ao mundo que as portas estão abertas para receber os refugiados muçulmanos. Ele disse ainda que o presidente Michel Temer poderia liderar essa campanha na América Latina.

O senador fez acusações sérias contra Donald Trump ao dizer que ele está agindo com xenofobia e sendo isolacionista por ter uma política tão dura contra os refugiados. Segundo o senador, os braços do Brasil estão abertos aos povos do mundo que precisam de abrigo e incentivou que os americanos possam criar resistência contra as medidas adotadas pelo presidente Donald Trump.

O presidente da Argentina, Mauricio Macri assinou na segunda-feira (30) um decreto que altera a lei de migração do país, dificultando a entrada de estrangeiros com mais restrições.

Publicidade

O pacote apresentado pelo próprio Macri usa expressões parecidas com a de Donald Trump, embora o foco são imigrantes com antecedentes criminais por narcotráfico que sai de países como Brasil, Peru, Bolívia, Paraguai e México. Parece que o senador Cristovam desconhece essa notícia ao citar no vídeo que à Argentina e os demais países da América Latina pudesse ser solidário com os imigrantes.