Muitas pessoas, em todo o mundo, morrem por necessitarem da doação de órgãos. A mídia e o governo, geralmente, trabalham com campanhas que estimulam às famílias a fazerem esse tipo de doação. No entanto, por conta da tristeza do momento, ou por questões religiosas, muitos se negam a fazerem esse gesto de solidariedade. No Brasil, alguns órgãos, estão em uma lista que pode demorar anos para ser sanada. Algumas pessoas morrem sem ter qualquer solução para o seu problema de saúde. Nessa semana, uma polêmica lista de valores de órgãos no mercado negro acabou sendo divulgada nas redes sociais. Não se sabe até que ponto ela realmente é real.

No Brasil, não há muitos dados relevantes de mercado negro de órgãos, mas é comum, especialmente no interior, pessoas temerem que seus filhos sejam roubados para esse fim.

Publicidade
Publicidade

Mão mais antebraço, por exemplo, custariam mais de 700 mil reais. O valor é mais alto do que o do coração, que na lista aparece custando mais de duzentos mil reais. Outros itens como fígado, pele e demais órgãos também aparecem nessa listagem macabra. O assunto, é claro, deu o que falar. Muitas pessoas não acreditam que isso seja verdade. Ressaltamos, que esse é um dos assuntos mais complexos de serem desvendados e que até as autoridades internacionais apenas estimam quantas pessoas realmente vendem os seus órgãos todos os anos.

"Não tem sentido, como um rim, que as pessoas podem facilmente viver somente com um, ou até mesmo SOBREVIVER sem os dois fazendo hemodialise regularmente, valer mais que o dobro do coração, que é de todos, o órgão mais vital! Mercado negro precisa de uma consultoria financeira", disse uma internauta ao discordar dos dados apresentados na tal lista.

Publicidade

"Vender o um litro de sangue todo mês, um bom emprego e dinheiro fácil, a solução dos nossos problemas", disse outro seguidor, que diz pensar em entrar nesse tipo de mercado obscuro. E você, o que acha dos valores expostos? Deixe seu comentário.

Veja abaixo a postagem feita nas redes sociais que deu o que falar:

#Crime #Investigação Criminal