Nessa segunda-feira, 13, foi divulgado que a presidiária, #Suzane Von Richthofen, condenada há 39 anos e prisão por ter planejado o assassinato dos pais, conseguiu ser aprovada no programa de Financiamento Estudantil, o #fies.

Apesar das críticas que começaram na internet desde que o fato tornou-se público, principalmente partindo de pessoas que não conseguiram a aprovação no FIES, tão pouco no SISU ou PROUNI, o fato é que a detenta não obteve a aprovação por conta de alguma facilidade decorrente de sua situação ou algum tipo de cota.

A nota mínima para se inscrever no programa é a média 450, sem que a redação tenha sido zerada, mas alguns cursos podem ter uma exigência a mais.

Publicidade
Publicidade

Com a nota de 675,08 pontos, Suzane poderia, inclusive, ter obtido uma bolsa integral de administração em uma universidade privada ou uma vaga de um curso menos concorrido em uma universidade pública.

As aulas do curso de administração, do qual Suzane se inscreveu, começaram na semana passada e sua frequência no curso depende de dois fatores: que ela conclua sua inscrição no SisFies e que a Defensoria Pública faça um pedido para que ela possa sair do presidio para frequentar a universidade. O pedido pode ser deferido ou não.

Geralmente, quando se trata de estudos, costuma-se conceder o direito ao detento, desde que o mesmo seja escoltado por um agente penitenciário ou policial, muitas vezes, sem uniforme, mas também existe o fato de Suzane ser muito conhecida, o que pode fazer o juiz entender que estudar fora estaria colocando em risco a sua integridade.

Publicidade

A universidade em que a detenta foi aprovada fica no interior de São Paulo e a mensalidade do curso é uma das mais baixas das faculdades privadas do estado, com valor inicial de R$ 596 mensais.

Relembre o caso que levou Suzane para a prisão

No ano de 2002, o casal Manfred e Marísia von Richthofen, foram brutalmente assassinados, enquanto dormiam em sua residência. Na ocasião, o casal de filhos do casal não estava em casa. Dias depois, a polícia prendeu Suzane como suspeita de ter mandado matar os pais para ficar com a herança milionária do casal. O irmão de Suzane tinha 14 anos na época e não sabia dos planos da irmã. O crime foi premeditado por Suzane, que combinou o crime com seu, até então namorado, e seu cunhado, Daniel e Cristian Cravinhos. Todos foram foram presos e condenados e encontram-se reclusos há 14 anos. #ENEM