O potencial turístico brasileiro sempre foi muito cantado em verso e prosa. Nossas praias, festas, florestas, cultura e gastronomia fazem sucesso há muito tempo. Mas foi com a realização dos grandes eventos esportivos nos últimos anos que o #Brasil alcançou maior visibilidade internacional. O primeiro teste veio com o Pan-americano em 2007. Depois seguiu com a Rio +20, Jornada Mundial da Juventude Católica, Copa das Confederações, Copa do Mundo e, no ano passado, as Olimpíada e Paralimpíada.

Polêmicas à parte, o saldo foi positivo no quesito visibilidade mundial. Pesquisas realizadas após os eventos do ano passado, mostraram que mais de 87% dos estrangeiros pretendem voltar ao Brasil e que 94,2% dos brasileiros querem retornar ao Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Mas, com tanta diversidade natural e, riqueza cultural, o que falta para realmente o país deslanchar no cenário turístico mundial? Para Edmar Bull, presidente da ABAV Nacional (Associação Brasileira dos Agentes de #Viagem), a divulgação é muito importante: “Precisamos de campanhas institucionais fortes e contínuas para que o Brasil ganhe competitividade frente a outros destinos internacionais concorrentes”, afirma.

Dispensa de vistos para países estratégicos

Para Edmar, a medida anunciada pelo Ministério do #Turismo, mas ainda não confirmada, de liberar da obrigatoriedade de visto para entrar no Brasil turistas de quatro países considerados estratégicos (EUA, Japão, Canadá e Austrália) precisa ser efetivada. “É importante que a flexibilização seja mantida para os países já selecionados para a Rio-2016 e ampliada para outros mercados igualmente potenciais”, ressalta o presidente.

Publicidade

Medidas de facilitação do visto são defendidas pela Organização Mundial do Turismo (OMT) e sustentam a tese do Ministério do Turismo de liberar os quatro países dessa exigência. Segundo os estudos da entidade, essa iniciativa pode gerar aumento de até 25% no fluxo de turistas nos destinos envolvidos.

Durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro foi feito um teste dando isenção de vistos para estes países. “O resultado muito positivo e vigorou durante quatro meses”, diz o presidente. “O Brasil recebeu 163.104 turistas oriundos desses quatro países durante o evento esportivo do ano passado. Desse total, 74,06% foram beneficiado com a dispensa do visto”, continua. A quantia que eles injetaram na economia nacional (U$ 167,7 milhões) foi aproximadamente 8,68 vezes maior do que o Brasil arrecadaria com taxas consulares”, complementa.

Preocupados com a possibilidade de o governo voltar atrás com essa iniciativa, entidades representativas de classe do turismo brasileiro escreveram uma Carta Aberta em Defesa do Turismo.

Publicidade

Assinada por 28 associações, ela foi enviada aos Ministérios do Turismo, Fazenda, Planejamento e à Casa Civil da Presidência da República. "O turismo no Brasil precisa ultrapassar a marca de seis milhões de visitantes estrangeiros, enquanto mais de 1,2 bilhão de viagens são realizadas no planeta, segundo a Organização Mundial do Turismo", diz a carta. No documento, além da isenção do visto aos quatro países, as entidades reivindicam também “a elaboração de um pacote mais amplo que inclua de uma vez por todas o turismo na agenda estratégica e econômica do governo”.