A constituição brasileira garante que o estado é laico. Pensando nisso, uma vereadora da cidade de Araraquara, em São Paulo, recusou-se a realizar um ato normal da Câmara Municipal. De acordo com informações do portal de notícias G1, em reportagem publicada nesta quarta-feira, 8, a vereadora do Partido dos Trabalhadores (PT), identificada como Thainara Faria, recusou-se a ler a bíblia, livro sagrado para os cristãos. O regimento interno da câmara diz que todos os vereadores, em ordem alfabética, precisam ao longo dos dias lerem a bíblia. No entanto, ao negar ler o conteúdo, a #Política acabou sendo muito criticado. "Como alguém pode renegar uma bíblia.

Publicidade
Publicidade

O livro sagrado não pode ser menosprezado", disse um internauta nas redes sociais.

A vereadora disse que é católica, acredita na existência de Jesus Cristo, mas que para que lesse a Bíblia teria que ler também outros livros sagrados, citando o alcorão (islamismo), além de outras religiões, como também os cidadãos da região que não acreditam em nenhum Deus específico, os ateus. As declarações da vereadora de São Paulo provocaram grande polêmica entre outros políticos e também na região. Há quem apoie sua atitude. Os que aprovam a fala da representante do Partido dos Trabalhadores (PT), argumentam que de fato a constituição não estabelece uma religião específica para política brasileira. Já aqueles que discordam da fala da vereadora achamque ela foi inoportuna ao usar um assunto religioso e misturá-lo com política.

Publicidade

O assunto virou pauta do programa de Fátima Bernardes, o 'Encontro', que gostou da argumentação da moça. Certo mesmo é que a declaração da política acabou terminando mal para muita gente que não concorda com esse tipo de fala. Na sua opinião, o fato da representante do partido de Lula ter declarado não querer ler a Bíblia em uma sessão da Câmara da cidade paulista gera algum tipo de problema? Deixe o seu comentário. A sua opinião é sempre muito importante para todos nós e ajuda no diálogo de temas relevante como este.