De acordo com informações do 'Jornal do Brasil', em reportagem publicada neste fim de semana, a jovem Bárbara Cunha, herdeira do ex-presidente da Câmara e deputado federal cassado #Eduardo Cunha, teve um encontro revelador. O jornal diz que ela contou à amigas, antes de ir almoçar em um famoso restaurante do bairro de Ipanema, na Zona Sul da cidade maravilhosa, que teve um encontro com um vidente e que o paranormal revelou um futuro sombrio para a política brasileira. O médium, que não saberia quem Bárbara é, muito menos o seu pai, disse que o pai da garota estava em uma cadeia e que não sairia de lá tão cedo. O vidente alegou um único grande motivo para Cunha pagar os seus pecados, o 'carma'.

Publicidade
Publicidade

Ele ainda contou que essa prisão desestabilizaria, aos poucos, outros nomes do mesmo partido de Eduardo, o PMDB. A legenda é a mesma do atual presidente do Brasil, Michel Temer.

O vidente alegou à Bárbara que existe a chamada lei da compensação, que também é chamada de ação e reação. Essa crença faz parte de várias religiões e está até no Velho Testamento, com a famosa expressão 'olho por olho, dente por dente'. De acordo com o médium, os atos de Eduardo Cunha começaram a ser ruins ainda em vidas passadas e que, a partir de agora, era chegada a hora dele pagar por tudo de ruim que fez. Na vida atual, o político que já foi o todo poderoso da política brasileira, acabou sendo denunciado diversas vezes na Operação Lava Jato e está preso desde o mês de outubro do ano passado.

Publicidade

Ele é acusado por vários crimes, um dos mais polêmicos é esconder contas milionárias do exterior, sem prestar qualquer tipo de informação para as autoridades brasileiras.

Nem tudo é ruim. O vidente disse que Bárbara, que completou a maioridade, assim que chegar aos vinte e cinco anos, estará ganhando muito dinheiro e que ela, aos 22, será mãe de gêmeos. Ele ainda mandou a jovem se casar com o seu atual namorado e suportar a perseguição de uma ex-namorada do rapaz. Você leitor acredita nesse tipo de previsão? Deixe seu comentário! #Michel Temer