Um pai é acusado de atirar e matar a própria filha na noite da última sexta-feira (10), no bairro Vila Sônia, Zona Sul de São Paulo. O crime foi motivado por causa de uma herança. Uma discussão aconteceu na rua Olímpio Rodrigues da Silva, por volta das 21h da noite.

A polícia informou que Frederico Carneiro Soares foi até a casa da filha, #Maira Cintra Soares, de 40 anos de idade, e os dois tiveram uma forte discussão. Foi quando o homem sacou a arma e atirou na filha, na frente dos próprios netos. Segundo a polícia, em meio a briga, Frederico atirou na cabeça de Cintra, na frente de três filhos da vítima.

Rapidamente acionaram o socorro, mas a mulher não resistiu e #morreu no local.

Publicidade
Publicidade

Logo após ter cometido o assassinato, o homem fugiu do local acompanhado de sua esposa atual. Os dois ainda não tinham sido localizados, segundo informou os policiais. Em agosto de 2016, Cintra postou um #Vídeo no Facebook. No vídeo, ela afirma que tinha desavenças com seu pai e tudo seria por conta de uma herança que sua mãe havia deixado. Há vários processos abertos na Justiça, inclusive há uma disputa pela casa da vítima, avaliada em 200 mil reais, que também foi deixada pela sua mãe.

Maira relata no vídeo que seu irmão e ela sempre sofreram maus tratos e foram obrigados a irem para colégios internos do interior de São Paulo desde que ela tinha 8 anos de idade. As agressões começaram logo após a morte de sua mãe. Ela conta que seus pais já eram separados e ele vivia com outra mulher, mas ainda não tinham oficializado o divórcio.

Publicidade

Ela conta que a intenção do pai sempre foi ficar com os bens da sua mãe. Maira conta que o pai, além da pensão, queria tomar posse de uma casa deixada como herança aos filhos.

Ela fala que, aos 16 anos, seu irmão teve que ser internado em um hospital psiquiátrico porque ficou completamente desorientado. Ela comenta ainda que seu pai vivia indignado e queria a todo custo a tirar da casa.

A mulher revela ainda que seu pai chegou a colocar até um segurança na casa e avisou que eles eram indigentes, mas tudo foi esclarecido na delegacia e provado que, além de donos da casa, eram filhos dele. O caso foi registrado no 89º DP, Morumbi.