Um adolescente de 17 anos foi apreendido na última sexta-feira (3) depois de protagonizar uma tentativa de violência contra a própria professora.

O caso aconteceu em uma instituição de ensino do Distrito Federal. O motivo causou surpresa às autoridades: uma paixão que ele desenvolveu pela mestra, mas que não era correspondida.

Segundo consta nos autos, o menino, cujo nome não foi divulgado, tentou agredir a educadora em frente ao Centro Educacional 04 de Sobradinho II, também no Distrito Federal.

Ele confessou que tinha uma paixão não correspondida pela profissional e que sentiu raiva e frustração ao ver que não havia reciprocidade.

Publicidade
Publicidade

Então, ele decidiu ameaçar a professora na porta da escola, para que ela enxergasse a sua frustração. O garoto teria permanecido na entrada do colégio aguardando o horário de saída da moça. Testemunhas disseram que ele rondou a escola e faz as ameaças, mas não chegou a entrar na escola.

A profissional não se feriu, já que funcionários da unidade perceberam a aproximação do menor e chamaram a polícia militar.

Assim que os agentes chegaram no local, ambos foram encaminhados para a Delegacia da Criança e do Adolescente. E foi durante o depoimento no distrito policial que a vítima ressaltou que teve contato com o aluno durante algumas atividades socializadoras, realizadas dentro da instituição, junto com outros jovens.

Tais atividades ocorreram no início do ano letivo. Depois o garoto parou de frequentar as aulas e já era considerado ex-aluno da instituição.

Publicidade

A educadora contou que desde essa época o adolescente desenvolveu uma espécie de fixação por ela, chegando a ameaçá-la de morte. No fim do mês passado, ainda conforme detalhamento no boletim de ocorrência, o jovem voltou a ameaçar a matar não só a professora, como também a filha dela.

Conforme o boletim de ocorrência, o menor ligava para a educadora e mandava mensagens com teor agressivo. Nas mensagens ele dizia que a filha dela poderia morrer e que era para as duas tomarem cuidado.

O adolescente contou a polícia que faz tratamento psiquiátrico e toma remédios controlados para transtornos mentais. De acordo com a Polícia, o jovem já havia sido expulso de outra instituição de ensino da mesma cidade, Sobradinho, depois de ter se envolvido em brigas com outros alunos. Ele já foi liberado. #Crime #Casos de polícia