A Polícia Civil do estado da Bahia, está investigando um caso atípico que teria acontecido dentro de uma maternidade pública, na capital baiana. Uma adolescente de 16 anos, que foi apreendida pela Polícia Militar, dentro do Hospital Geral Roberto Santos, na ala da maternidade, portando um facão estando vestida como profissional da área de saúde.

O caso aconteceu nesta segunda-feira (6), quando profissionais da área de saúde estranharam, ao avistarem a garota vestida com um jaleco branco, porém portando um facão, transitando pelas instalações internas da maternidade, localizada no bairro do Cabula em Salvador.

Imediatamente os funcionários do hospital acionaram a polícia.

Publicidade
Publicidade

Uma guarnição da 23ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Tancredo Neves), se dirigiu até a unidade de saúde, e conseguiu impedir que a adolescente cometesse o #Crime. A jovem foi levada pelos agentes, e foi apreendida com a ela a arma branca letal.

A adolescente foi encaminhada para a Delegacia do Adolescente Infrator (DAI), e ao prestar depoimento confessou que estava procurando uma mulher que tinha dado a luz naquela maternidade. De acordo com a menor ela tinha a intenção de matá-la. A parturiente procurada pela garota era a mulher de um traficante.

A jovem relatou ainda em seu depoimento, que teria recebido a ordem de um traficante de uma facção rival ao marido (traficante), da mulher que tinha dado a luz. A ordem segundo ela, foi dada por um traficante conhecido como “Fuinha” e que caso ela não cumprisse a “tarefa”, ela é que seria morta.

Publicidade

A delegada que atendeu o caso, Claudenice Mayo, informou que encaminhou uma cópia de todo o processo a 6ª Delegacia, que ficalocalizada no bairro de Brotas, para que seja apurada a veracidade da versão dada pela menor.

A adolescente foi apresentada ao Ministério Público (MI), para que sejam aplicadas a ela as medidas socioeducativas cabíveis ao delito cometido pela garota.

A polícia segue investigando o caso, e até o fechamento desta matéria, ainda não havia confirmação da veracidade da história contada pela garota. Não foi divulgado se houve algum novo depoimento para averiguação dos fatos. #Casos de polícia