A morte de um recém-nascido está sendo investigado pela Polícia Civil da cidade de Palotina, na região oeste do Paraná. O bebê foi encontrado enterrado já em estado de decomposição, no quintal de uma residência na quarta-feira (23). Segundo informações da polícia, a mãe do bebê é uma adolescente de 14 anos, que teria sido abusada sexualmente por dois homens. Um dos acusados de ter violentado sexualmente da menina é um homem de 42 anos, que é pai da vítima, já o outro suspeito é um jovem de 20 anos, que é irmão da jovem. Além dos acusados, a adolescente “vítima dos abusos” e a sua madrasta também foram presas pela polícia.

De acordo com o delegado Aldair da Silva Oliveira, o Conselho Tutelar da cidade fez uma denúncia na delegacia há cerca de uma semana, relatando que uma adolescente tinha dado à luz a uma criança em sua residência, e o mesmo teria nascido já sem vida e que foi enterrado no quintal de sua casa.

Publicidade
Publicidade

Ainda, de acordo com o delegado, inicialmente o homem, sua esposa e seu filho foram presos por ocultação de cadáver. O homem, em seu depoimento para a polícia, confessou que a criança nasceu em sua casa e a mesma teria sido enterrada no quintal da casa pelo seu filho.

Aldair da Silva relatou que o homem mostrou para os policiais onde o corpo da criança havia sido enterrado. Segundo Aldair, o corpo da vítima estava enrolado em um pano e já estava em estado de decomposição. Conforme informações repassadas pelo Conselho Tutelar da cidade, os conselheiros suspeitam de que o parto da adolescente teria ocorrido no dia 10 de março. O corpo da vítima foi recolhido e encaminhado para o IML da cidade. O pai e o irmão da adolescente confessaram ter abusado sexualmente da menor, e admitiram que ela pode ter engravidado de algum deles.

Publicidade

De acordo com a Polícia Civil, apenas os exames feitos no corpo da vítima vão apontar a real causa da morte do bebê, e também comprovar a paternidade da vítima. Segundo informações da conselheira tutelar Dariana Benetti, outra filha do casal uma jovem de 19 anos, que não mora na residência onde aconteceu o parto, relatou para os conselheiros que ela também foi violentada sexualmente pelo pai e pelo seu tio que já faleceu. Segundo a jovem, os abusos começaram quando ela tinha 10 anos, e só pararam quando ela completou 17 anos. O caso está sendo investigado. #Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia