Imagens captadas pelo circuito de monitoramento da lanchonete Habib’s captaram o momento em que João Victor de 13 anos, que morreu no dia 26 de fevereiro, em uma confusão no Habib’s. O garoto aparece com um pedaço de madeira na mão e tenta agredir um funcionário do estabelecimento. Nas imagens também é possível ver o adolescente batendo com a madeira no carro de um cliente que estava no estacionamento da lanchonete.

As imagens inéditas foram divulgadas nesta quinta-feira (16), mostrando a todos uma nova versão sobre a polêmica envolvendo a morte do garoto, no domingo de carnaval. As imagens desta vez confirmam o que os funcionários da franquia afirmaram em depoimento, que tentaram acalmar o garoto que estava um pouco descontrolado, e agindo de maneira agressiva com uma madeira em mãos.

Publicidade
Publicidade

Nas imagens é possível ver o menor com a madeira em pé no estacionamento da lanchonete, um funcionário se aproxima para conversar com o garoto. O adolescente tenta acertar o funcionário com a madeira, o supervisor do Habib’s recua para não ser atingido. João Victor se descontrola e bate com a madeira no carro de um cliente que estava estacionado no pátio da franquia. O supervisor retorna para o interior do estabelecimento e as imagens se encerram.

Segundo o depoimento dos dois funcionários do Habib’s (supervisor e o gerente), que a principio foram acusados de agredir o garoto, em nenhum momento eles usaram de violência. Afirmaram que foram atrás do adolescente para trazê-lo de volta, para que esperasse a chegada da polícia, e quando atravessavam a rua o menino teve um mal súbito e caiu.

Publicidade

Eles então o levantaram e o levaram até a calçada.

Nas primeiras imagens divulgadas sobre o caso, os funcionários aparecem arrastando o garoto pela rua, e o deixam na calçada. As imagens geram polêmica, pois os funcionários se tornaram suspeito de uma suposta agressão ao garoto, que já aparecia desacordado nas imagens.

Em depoimento os funcionários afirmaram ainda que quando o garoto passou mal no meio da rua, que eles o levantaram e o levaram para o outro lado, e que não o arrastaram, e que um dos funcionários acabou escapando o braço do garoto, e para não deixá-lo no meio da rua, o outro trabalhador levou o garoto até a calçada por um dos braços.

O laudo do IML apontou presença de substâncias tóxicas no sangue de João Victor, como cocaína, tricloroetileno e clorofórmio (substâncias encontradas no lança perfume). De acordo com o laudo a causa da morte teria sido por causa de alterações cardíacas agudas e crônicas. E constatou que a morte do garoto aconteceu de forma súbita, onde ele teve um ataque cardíaco por causa do uso de entorpecentes.

Advogados da família de João Victor contestaram o laudo fornecido pela Justiça e disseram que vão pedir a exumação do corpo do garoto para que seja feito um novo exame nele.

Segue abaixo as imagens inéditas do caso do garoto João Victor :

#Crime #Investigação Criminal