Um vídeo postado nas redes sociais mostra o momento em que uma vendedora ambulante é abordada por agentes da Prefeitura de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Eles tentam confiscar o carrinho da trabalhadora autônoma, que resiste em deixar a mercadoria ir embora.

No carrinho estão acondicionadas várias garrafas de água mineral, prontas para serem revendidas na calçada.

Percebendo a confusão, populares se solidarizaram com a mulher e foram até ela para dar-lhe apoio. As pessoas começam a pedir para que os fiscais deixem a moça em paz. Outros apelam para que as pessoas comprem a água dela, para que ela não fique no prejuízo.

Publicidade
Publicidade

Muitos dizem que os homens deveriam se preocupar em fiscalizar e prender bandidos e, não, uma pessoa que está lutando por seu sustento.

Começa um leve empurra-empurra. Dois fiscais seguram firme o carrinho, na intenção de recolhê-lo. A vendedora também segura e faz força para mantê-lo no mesmo lugar. Outras pessoas chegam a segurar nas alças.

Uma homem coloca sua indignação para fora e grita “vai prender a Dárcy Vera”, em referência à ex-prefeita da cidade, que foi alvo de uma operação recente da Polícia Federal, acusada de chefiar um esquema de desvio de recursos públicos durante oito anos em que esteve à frente do Executivo.

Um outro homem fala que o que os fiscais estão fazendo é um absurdo. Ouve-se um “eu vou bater na sua cara rapaz”, quando um dos agentes afasta um popular que se aproxima demais.

Publicidade

Dois guardas municipais chegam para tentar manter a ordem. Em vão. Pedem um documento para a mulher, mas ela diz que está sem ele no momento.

Visivelmente nervosa, a vendedora ambulante alega que não está roubando e nem praticando nenhum #Crime. “Deixa eu ir embora. Me dá meu carrinho”. A pessoa que filma a cena fala em tom revoltado “vai pegar bandido rapaz”.

Chorando, a ambulante pergunta se os fiscais têm filho pequeno. “Se eu tivesse roubando tudo bem, mas eu não estou”.

Um dos agentes responde que ela já tinha sido avisada que estava atuando sem autorização e que poderia ser alvo de apreensão. O vídeo termina, sem que se saiba o que aconteceu com a moça.

#Casos de polícia