A Polícia investiga a #Morte de um homem dentro de um dos maiores templos da #Igreja #Universal, em Santo Amaro. Um pouco antes de morrer, o homem contou, em situação bem debilitada, quem foram os seus assassinos. De acordo com ele, três seguranças da igreja começaram a espancá-lo sem nenhum motivo. O desempregado Ronaldo Bispo dos Santos, 48, era católico e foi até o Templo da Fé buscar sua esposa, Maria do Campo Conceição, 46, que era fiel da igreja de Edir Macedo. porém, eles acabaram se desencontrando e Santos resolveu ir ao banheiro antes de ir embora.

Sem motivo aparente, o desempregado começou a ser agredido. Ele contou no hospital, mesmo em estado muito grave, que viu dois pastores passando perto, pediu ajuda e eles negaram socorro.

Publicidade
Publicidade

A mãe da vítima, Rosely de Pádua dos Santos, 68, comentou que os vigilantes chutaram muito a cabeça dele.

As agressões teriam ocorrido no estacionamento do prédio.Ele morreu após ficar quatro dias internado. Exames mostraram uma série de traumas e rompimento da alça intestinal, devido fortes pancadas. Santos também tinha edema no pulmão.

Justiça

A família do desempregado quer Justiça, tanto de Deus quanto dos homens. A versão contada por Santos, antes de morrer, ajudou bastante os policiais nas investigações. Bem naquele dia, as câmeras de segurança da igreja estavam desligadas devido a manutenção.

Ao todo, já foram ouvidas treze pessoas, entre familiares, membros da administração da igreja e membros da equipe de vigilância. Os seguranças disseram desconhecer a versão de Santos e negaram o caso.

Publicidade

Igreja

A Igreja Universal acredita que o homem foi espancado próximo à igreja, mas não dentro do estacionamento. "Estamos dispostos a ajudar nas investigações e temos certeza que o rapaz não morreu dentro do Templo".

A Igreja ainda comentou que algumas testemunhas viram o rapaz andando nas proximidades do Templo. O espancamento ocorreu no domingo (19), por volta das 21h.

A Polícia pediu documentos que comprovem que as câmeras de vigilância estavam em manutenção.