Oito dias depois da Polícia Federal desencadear a maior operação de sua história, investigando supostas adulterações e fraudes na comercialização da #carne brasileira, três países já diminuíram as restrições e reabriram os seus mercados para o produto originado do Brasil. A carne do país estará retornando às prateleiras de Egito, China e Chile.

Em um primeiro momento, esses países haviam anunciado um veto total e absoluto para todas as carnes que fossem produzidas no Brasil. Na nova decisão, a restrição ficará somente a cargo dos produtos originados pelos 21 frigoríficos investigados pela Operação #Carne Fraca – a maior da história da PF em se tratando de números.

Publicidade
Publicidade

Na manhã deste sábado, o Palácio do Planalto expressou o seu agradecimento à China por voltar a depositar confiança na carne brasileira. O país asiático é um importante comprador e gera receita importante ao Brasil em termos de exportação. No ano passado, os chineses US$ 1,75 bilhão em carnes brasileiras.

Titular do Ministério da Agricultura, o ministro Blairo Maggi agradeceu a confiança dos chineses, que só não comprarão carnes produzidas pelos 21 frigoríficos que estão na mira da Polícia Federal por suposta fraude.

“Trata-se de um atestado de solidez do sistema sanitário brasileiro e também uma vitória da capacidade que o Brasil tem de exportar produtos. Nós agradecemos o gesto de confiança designado pela China, um parceiro estratégico para a credibilidade do sistema brasileiro”, diz o comunicado oficial assinado por Maggi.

Publicidade

Em nota, o presidente Michel Temer também agradeceu os chineses pela nova postura e garantiu que a relação entre os dois países se fortalece após a nova resolução.

“Estamos agradecidos com o gesto do governo do presidente Xi Jinping. Há em um curso uma parceria que já gerou muitos frutos. Com certeza, ainda haverá muitos ganhos a partir dessa sólida relação bilateral entre nossas nações”.

Da mesma forma que a China, o Chile também suspendeu o seu veto total para a importação, mas manteve restringida a compra de produtos dos frigoríficos analisados pela Operação Carne Fraca. O país sul-americano enviou técnicos, nos últimos dias, para inspecionar a qualidade e o sistema sanitário dos principais frigoríficos que exportam a carne do Brasil. Em 2016, o Chile importou US$ 441 milhões, gerando importante receita para o caixa brasileiro.

O Egito, por sua vez, anunciou que vai retomar a compra de carnes em estabelecimentos autorizados do Brasil. Mas lembra que as remessas poderão ser chegadas quando chegarem ao país.

Publicidade

O Egito importou US$ 683 milhões no ano passado em se tratando de carne brasileira.

A Polícia Federal segue apurando e trabalhando nas investigações da Operação Carne Fraca, que já soma 309 mandados, dos quais 37 são de prisão. Deste total, 36 foram detidos e um segue foragido. As autoridades apontam fraude na comercialização e na produção da carne em 21 frigoríficos, sendo que 18 deles são localizados no Paraná.

Há também o indício de corrupção por parte de funcionários do Ministério da Agricultura e que também partidos políticos possam ter sido beneficiados com o pagamento de propina a partir das fraudes na carne brasileira. #Temer