Uma grande reviravolta deve acontecer no caso envolvendo o sequestro da apresentadora Ana Hickmann, da Record TV. Quase um ano após a loira ser alvo de um fã alucinado em um hotel de Belo Horizonte, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais agora quer que uma reconstituição do caso seja feita. Lembrando que na ocasião, o tal fã, identificado como Rodrigo Augusto de Pádua, acabou sendo assassinado pelo cunhado da comunicadora, Gustavo Henrique Bello Correa. O drama de Ana ocorreu em 21 de maio do ano passado e, até hoje, ela tem dificuldade para falar do assunto. Em entrevistas, ela mostrou revolta do fato do cunhado, que segundo ela, agiu em legítima defesa, ainda ter que responder a um processo como esse.

Publicidade
Publicidade

A situação aconteceu no Hotel Ceasar Business e teve impacto nacional.

O caso serviu de alerta para o poder que tem as redes sociais. Rodrigo acreditava que era amante da apresentadora e que ela não queria mais nada com ele. Ao descobrir que a loira iria em Minas Gerais, o fã vendeu alguns pertences e pagou a diária no mesmo hotel que ela ficou. Após ver o cunhado da artista, ele o rendeu com um revólver em punho, obrigando o parente de Hickmann a levá-lo até o quarto em que estava a famosa e sua assistente, que acabou sendo baleada. A assistente é esposa do cunhado da famosa. Os dois acabaram saindo em uma luta corporal e o irmão do marido de Ana conseguiu pegar a arma, dando três tiros na nuca do sequestrador. A esposa dele, Giovana, que levou o tiro disparado pelo fã alucinado, chegou a ser internada, mas sobreviveu sem sequelas ao incidente.

Publicidade

É bom lembrar que ainda em julho o cunhado da apresentadora foi acusado de homicídio culposo, ou seja, quando há a intenção de matar. A denúncia partiu do Ministério Público. Mais tarde, no entanto, a delegacia que investigava o sequestro e morte, decidiu arquivar o caso. Agora #Ana Hickmann, no entanto, terá que reviver tudo o que foi tão marcante e trágico em sua vida. E você, o que pensa sobre o ocorrido? Deixe seu comentário. #Famosos