Divulgado hoje, 21 de março, o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH), produzido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), traz o Brasil em 79º lugar no ranking que analisa, ao todo, 188 países. Esta é a primeira vez em cinco anos que o país se mantém na mesma posição. Os dados são calculados com base em informações recolhidas em 2015, envolvendo indicadores de saúde, educação e renda, com o objetivo de avaliar o desenvolvimento das nações.

No caso do Brasil, o que provocou a estagnação foi a queda do Rendimento Nacional Bruto (correspondente à renda per capita do brasileiro) do ano de 2014 para 2015, que voltou a um nível registrado anteriormente apenas em 2010.

Publicidade
Publicidade

Em relação à expectativa de vida ao nascer, de anos de estudo e também da média educacional, houve melhora nos índices.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) varia entre 0 e 1, estando a Noruega em primeiro lugar, com um IDH de 0,949, seguida da Austrália e da Suíça, ambas com 0,939. O Brasil, com 0,754, fica abaixo do México, do Azerbaijão, do Líbano e da Albânia.

O resultado seria ainda pior se levada em conta a desigualdade brasileira, medida em termos de distribuição de renda, fazendo-se a comparação das três áreas (saúde, educação e renda) entre ricos e pobres. Esse fator é aplicado pelo PNUD a um número determinado de países, gerando um ranking denominado "IDH ajustado à desigualdade". No caso do Brasil, isso levaria a uma redução de 26,3% no índice, que seria, então, de 0,557.

De acordo com a coordenadora do RDH, Andréa Bolzon, o impacto da #Crise econômica no IDH do país só não foi maior devido às políticas de proteção social, sendo feitas menções ao Bolsa Família ao longo do Relatório, bem como ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Publicidade

A #ONU divulgou ainda um relatório abordando a questão de gênero, o chamado Índice de Desigualdade de Gênero (IDgG), que avaliou 159 países. Usando como critérios principais a saúde reprodutiva, o empoderamento feminino e as atividades econômicas realizadas por homens e mulheres, o ranking coloca o Brasil em 92º lugar. #pesquisa