Bruno Fernandes é um dos ex-detentos mais conhecidos do país. Liberado de uma penitenciária de Belo Horizonte, em Minas Gerais, no fim do mês passado, o goleiro que um dia brilhou no Flamengo parece que não vai mesmo ter sossego. Isso porque muita gente não está nada feliz com o fato de Bruno está liberto. De acordo com uma reportagem publicada nesta segunda-feira, 6, pelo portal de notícias R7, já existe, inclusive, uma petição publicada na internet com milhares de assinaturas que faz um pedido, revelar onde está o corpo de Eliza Samudio. Eliza era ex-amante de Bruno e foi morta em 2010. Mesmo sete anos depois do crime, o corpo ou o que sobrou dele jamais foi encontrado.

17 mil pessoas já assinaram o documento que pode estimular Bruno a contar o esconderijo do cadáver da ex-amante, mas afinal, o goleiro sabe mesmo onde estão os restos mortais da mãe de seu filho, Bruninho? O atleta, que um dia foi cotado para a seleção brasileira, garante que não.

Publicidade
Publicidade

Em depoimentos e no julgamento, Fernandes deixou claro que não sabia sequer mesmo que Macarrão, seu amigo íntimo, planejava assassinar Eliza. "O criminoso em questão, Bruno, deve entender que uma condição para demonstrar seu real arrependimento, será dizendo a mãe onde está sua amada filha, para um enterro digno", diz uma parte do texto da petição online que quer descobrir o paradeiro de Samudio.

Por conta do #Crime, Bruno Fernandes foi condenado a 22 anos de prisão, mas não chegou a cumprir um terço da pena. Isso porque Marco Aurélio Mello, Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o atleta conseguisse um habeas corpus. O benefício pode fazer com que o atleta possa jogar. Um dos advogados do famoso ex-detento revela que nove clubes fizeram propostas para seus clientes. Um deles, em especial, teria feito os olhos de Bruno brilharem, o Bangu, clube do Rio de Janeiro, que atua na primeira divisão do campeonato carioca.

Publicidade

Os torcedores do Bangu, entretanto, fizeram um abaixo-assinado para não receber o ex-preso no time.