Assalto à mão armada em mercadinhos não são novidade. Mas um em especial acabou ganhando destaque. É que o bandido foi para casa com o produto do roubo e com um revólver a mais.

Isso mesmo. Imagens flagradas por uma câmera de segurança instalada no estabelecimento mostram a chegada do meliante e o anúncio do assalto. Um homem de camiseta amarela que está em primeiro plano, bem à frente do bandido, aparentemente tentar sacar uma arma que carregava na cintura.

Mas o assaltante estava mais esperto e conseguiu não só impedir que ele atirasse como conseguiu pegar para si a arma do sujeito, que ao perceber a burrada que fez correu para longe.

Publicidade
Publicidade

Outros clientes aflitos também tentaram se proteger como puderam.

Com sangue frio e com foco no roubo, o ladrão continuou normalmente o assalto. Com o capacete na cabeça e segurando agora duas armas, ele ofereceu uma mochila para as operadoras dos caixas depositarem todo o dinheiro disponível.

Elas acataram a ordem enquanto ele colocava a arma na cintura para não chamar a atenção de quem estava fora.

Depois ele caminha até outra funcionaria e faz a coleta de mais dinheiro. Duas clientes (uma delas idosa) que estavam observando na porta e esperando para entrar no estabelecimento ficam aguardando o bandido ir embora e entram como se nada tivesse acontecido.

O ladrão parte apressado. No vídeo, uma outra câmera mostra o rapaz já do lado de fora, dando partida em sua motocicleta e fugindo com todo o dinheiro, além de mais um instrumento de trabalho.

Publicidade

As inscrições do circuito de segurança que podem ser vistas nos visores das câmeras mostram que o #Crime aconteceu no último dia 29, quarta-feira passada. O horário marcado aponta que toda a movimentação aconteceu em plena luz do dia, na hora do almoço (entre 12h12 e 12h13).

As imagens correram as redes sociais. Num dos posts onde o vídeo foi publicado a polêmica era sobre a conduta do homem que perdeu a arma para o meliante. Muitos acreditam que era um vigilante contratado pelo mercadinho, mas sem o mínimo treinamento sobre como agir nesses momentos.

#Casos de polícia