Dentre os 21 frigoríficos investigados na Operação Carne Fraca, três deles terão que recolher os seus produtos que estão distribuídos dentro dos supermercados e também os que já foram vendidos e entregues a consumidores.

A determinação foi decretada nesta última quinta-feira (23), pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça. Os três frigoríficos que foram obrigados a recolher os produtos foram: Souza Ramos, Transmeat e Peccin. A Senacon informou que os frigoríficos tem 5 dias para iniciar o recall.

Segundo o site de notícias do G1, informou que entrou em contato com o Senacon para saber como os consumidores deveriam fazer para devolver o produto adquirido e ser ressarcido pelo mesmo.

Publicidade
Publicidade

O G1 perguntou ainda como seria feito esse processo do recall, porem até o encerramento desta matéria não havia sido divulgada a resposta do órgão.

Em nota a Senacon informou que a determinação aconteceu após resultados obtidos pela auditoria feita pelo Ministério da Agricultura nesses frigoríficos e divulgado para o órgão.

De acordo com auditoria realizada, o frigorífico da Souza Ramos em Colombo (PR), não possuía controle do processo de fabricação e da rastreabilidade de seus produtos, o que não permite classificar a qualidade dos produtos produzidos. O Souza Ramos é suspeito também de substituir a matéria-prima de peru por carne de aves, além de realizar troca de favores para que a fiscalização não ocorresse de maneira adequada.

Já o frigorífico da Transmeat, de Bolsa Nova (PR), demonstrou não ter controle da rastreabilidade dos produtos.

Publicidade

Além de estar envolvido em esquema de corrupção e injetar água na carne de frango acima do permitido.

No frigorífico da Peccin de Curitiba, a auditoria constatou: suspeita de adulteração e risco a saúde pública.

Com bases nos fatos relacionados pela auditoria do Ministério da Agricultura, a Senacon determinou o recolhimento dos produtos produzidos nestas unidades, no prazo para início do recall de 5 dias. Em nota a Senacon declarou que os produtos deveriam ser recolhidos e os consumidores devidamente ressarcido.

A repercussão negativa da carne brasileira depois de deflagrada a Operação Carne Fraca, fez despencar as exportações de carnes por todo Brasil.

Nesta sexta-feira (24), a segunda maior exportadora de carne brasileira, Hong Kong afirmou irá retirar do mercado as carnes que foram adquiridas dos 21 estabelecimentos que estão sendo investigados.

#Crime