Uma casal tornou-se uma das principais notícias dessa sexta-feira, 24. Moradores da cidade de São José do Rio Preto, eles queria viajar para Votuporanga, também em São Paulo. O problema é que #Animais não são permitidos em viagens de transporte público. De carro ou ônibus, eles não levariam mais do que uma hora e meia para percorrer o trecho, de 80 Km, mas como deixar os filhos para trás? Carlos Barbato, de 37 anos, e sua companheira, Renata, são "pais" dos cachorrinhos Paçoca e Milady. Eles planejavam mudar de cidade por condições melhores, mas ao irem para a rodoviária descobriram que não poderiam entrar no ônibus com os filhos. Eles iriam desistir dos animais? Nem pensar! Perna para que eu te quero.

Publicidade
Publicidade

Humildes, mas muito bem dispostos e perseverantes, os dois andaram incríveis 82 Km por conta dos animais.

A prima de Renata, identificada como Alexandra Correa, em entrevista ao jornal 'Extra', que noticiou o caso nesta sexta-feira, 24, contou que levou um grande susto ao ver o casal com os dois cachorros na porta de sua casa, já em Votuporanga. "Eu tomei um susto quando vi os dois na minha porta com um carrinho de compras e os dois cachorros em cima. Eles acharam o carrinho de supermercado na rua, arrumaram as coisas deles e vieram para cá", disse ela. Os dois haviam ganho de graça as passagens de ônibus de um parente, mas como foram proibidos de entrarem com os animais no coletivo, não pensaram muito ao fazerem a saga digna de duas maratonas.

Alexandra disse que não para explicar o amor e carinho que o casal tem pelos cachorros.

Publicidade

De acordo com ela, os dois tratam os animais como se fossem verdadeiras crianças. Ela disse que chega a achar engraçada a situação. A mulher que andou 82 Km disse que não pode ter filhos e que, por isso, dedica todo o seu amor aos pets. Mesmo estando desempregada, ela luta para comprar ração para eles.

Para fazer todo o trecho, eles andaram durante seis dias. O casal foi dormindo em casas que achavam abandonadas. Para se alimentar, eles foram pedindo de porta em porta, não apenas comida para eles, mas também para os cachorros. Agora o casal aproveita a repercussão do caso para pedir um emprego, ou qualquer ajuda.