Uma menina de 10 anos foi achada morta no banheiro da própria casa no conjunto Village Campestre, em Maceió (AL), nesta tarde de quinta-feira (2). Segundo a Polícia Civil, a suspeita é que ela tenha sido vítima de abuso sexual praticado pelo irmão de 14 anos, que foi apreendido como o principal acusado do crime.

Segundo a polícia, a criança foi estuprada e, logo após, morta por estrangulamento. A confirmação do estupro e estrangulamento foi dada no local pela Delegacia de Homicídios, porque a vítima apresentava sangramento vaginal e estava com lesões nos olhos, o que representava que ela havia sido estuprada e estrangulada.

Publicidade
Publicidade

O crime contra a criança começou em um dos quartos da residência e, logo em seguida ela foi morta no banheiro. De acordo com Informações do Conselheiro Tutelar, o irmão da vítima acionou o órgão, dizendo que sua casa havia sido invadida por um ladrão e que ele teria fugido, deixando a sua irmã morta dentro da residência.

O conselheiro Jorge Verçosa, desconfiado da afirmação do rapaz, se dirigiu ao local e achou a menina morta no banheiro, com um pano envolta do pescoço. Em seguida, ele acionou a Delegacia de Homicídios para comparecer no local.

O delegado Antônio Henrique explicou que a menina e o garoto estavam sozinhos, e que o rapaz possui histórico de #Violência, segundo informações passadas pelo Conselho Tutelar. Ele relatou também que a residência não possuía nenhum sinal de arrombamento.

Publicidade

Com isso, de acordo com o delegado, a suspeita é que a vítima foi violentada e assassinada pelo próprio irmão.

A mãe do suspeito relatou que o jovem já havia morado com ela, mas não o suportou porque era muito problemático. Ela disse que tentou internar o filho após ele tentar atacar avó com um vaso, mas não conseguiu uma vaga. Depois disso, o adolescente foi com o pai na casa onde ocorreu o crime.

O garoto foi apreendido e conduzido para a Central de Flagrantes, onde respondeu por ato infracional. Ele foi encaminhado para a Delegacia de Menores, que irá cuidar do caso. #Investigação Criminal